HomeEconomia

Aliança contra a fome é defendida no G20 como estratégia econômica

Aliança contra a fome é defendida no G20 como estratégia econômicaBrasil deve criar estrutura mais enxuta para Aliança. Foto: Lyon Santos / MDS

Queijos premiados de MT estão entre destaques da FIT Pantanal
Mudança climática: seca avança pelo Brasil, que registra 1ª região árida
Cultivo do maracujá em Nova Ubiratã traz otimismo para agricultor familiar

Por André Garcia 

Proposta pelo Brasil aos membros do G20, a implementação da Aliança Global contra a Fome e a Pobreza pode ser encarada como uma boa nova tanto para os 735 milhões de pessoas em situação de vulnerabilidade no mundo, quanto para quem já vem produzindo e colocando comida no prato de outros milhões de pessoas.

A questão vem sendo abordada ao longo da semana no Banco Mundial em Washington, DC, nos Estados Unidos, onde o governo brasileiro reiterou que a fome é um problema econômico e que só a partir de sua erradicação é que haverá uma nova economia global.

De acordo com publicação da Folha de São Paulo, a proposta encontra resistência por parte de outros países, que afirmam que ela pode concorrer com entidades já existentes. A organização do G20, no entanto, publicou nota informando que as discussões ocorrem “sem grandes embates sobre o formato proposto.”

“A proposta da Aliança, aberta a todos os países, busca formar uma cesta com políticas públicas de combate à fome e à miséria bem-sucedidas, como ocorreu no Brasil, e em diversas outras regiões do mundo. O propósito é não ficar restrito a apenas oferecer recursos financeiros, mas mostrar programas, políticas e ferramentas que já tenham sido usadas em outros países e dado bons resultados”, diz o comunicado.

De qualquer forma, uma proposta consolidada deve ser apresentada em junho, durante reunião de ministros do G20, no Rio de Janeiro (RJ).

No final de março, em um encontro realizado em Brasília, representantes de diferentes países disseram respaldar o objetivo do Brasil de mobilizar um esforço internacional de enfrentamento à pobreza. Mas já teriam afirmado que  seria preciso simplificar a governança proposta para a nova organização.

Representantes brasileiros vêm destacado experiências internas para embasar a iniciativa. Os exemplos incluem as políticas sociais de combate à fome e à pobreza criadas entre 2002 e 2014, que derrubaram o número de cidadãos subnutridos em 82%.

Desde que assumiu a chefia do grupo, em Nova Delhi, na Índia, no ano passado, o Brasil defende a proposta. Seu lançamento está previsto para ocorrer em paralelo à Cúpula do G20, em novembro.

LEIA MAIS:

Segurança alimentar exige financiamento climático de US$ 9 tri

COP27: Pequenos agricultores alertam sobre “segurança alimentar global em risco”

Sob risco de insegurança alimentar, produção agrícola global prioriza processados e animais

Incluir pequeno produtor é base de sistema alimentar resiliente, diz ONU

Desmate é encarado como fator de risco para investimentos no agro

Aquecimento global torna “seca agrícola” 3 vezes mais provável