HomeEconomia

Juros para agro já preveem curva da Selic, mas não impedem reajuste, diz Caixa

Juros para agro já preveem curva da Selic, mas não impedem reajuste, diz CaixaBanco tem juros a partir de 9,5%, atualmente. Agência Senado

‘Agronegócio não quer armas, quer produzir alimento’, afirma ministro da Casa Civil
Crédito privado como opção de financiamento rural em discussão
Europa amplia proibição de commodities ligadas a desmate

A vice-presidente de Varejo da Caixa, Thays Cintra Vieira, disse na terça-feira, 28/6, que os juros praticados pelo banco no crédito rural já consideram a curva de juros da Selic, mas que isso não impede reajustes no futuro. Segundo ela, as taxas praticadas no mercado hoje giram em torno de 15% a 16%, enquanto o banco tem juros a partir de 9,5% nas linhas com recursos de poupança, LCA e livres.

“A Caixa já tem as menores taxas e vai continuar tendo as menores taxas, prevendo a curva da Selic”, disse ela, em coletiva de imprensa após almoço de executivos da Caixa com a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA).

Thays afirmou que o banco consegue praticar taxas mais baixas do que o mercado, pois tem um custo mais baixo e maior capilaridade.

“O funding da poupança tem um custo menor e como temos uma das maiores captações de poupança é possível para Caixa trabalhar dessa forma.”

Ela ainda esclareceu que a estimativa de concessão agro no próximo ano safra, de R$ 70 bilhões, é uma conta que considera o dobro do que emprestado na safra 2021-2022.

Contando com os recursos do Tesouro Nacional, para crédito subsidiado, que devem ser anunciados na quarta-feira, Thays afirma que o volume de contratações em 2022-2023 pode ser maior que R$ 70 bilhões. “A Caixa vai trabalhar com todos os tipos de funding, conforme a gente fez neste ano. Nós entramos pela primeira vez com o funding da poupança. A gente tem o LCA, se necessário, e Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) também fizemos o nosso pleito.”

Fonte: Estadão Conteúdo