HomeEconomiaAgricultura

Preços do milho seguem em alta no mercado doméstico, segundo dados do Cepea

Preços do milho seguem em alta no mercado doméstico, segundo dados do Cepea

Alta de preço de suíno vivo não recupera poder de compra de produtor
População ocupada no agronegócio chega ao maior número desde 2015
Competitividade da carne suína frente à de frango é a maior em 12 anos

Os preços do milho recuaram na maior parte de novembro, voltando a avançar apenas na última semana do mês, segundo relatório agromensal do Centro de  Estudos  Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

“Até a terceira semana, os valores foram pressionados pelo ritmo enfraquecido das exportações na atual temporada e pelo bom andamento da semeadura da safra verão. Além disso, compradores permaneceram afastados das negociações – na expectativa de continuidade das quedas –, enquanto os vendedores, com necessidade de liberar espaços nos armazéns, aceitavam negociar o cereal a preços mais baixos”, indica o relatório.

Este contexto, somado às desvalorizações nos portos, pressionou o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (região de Campinas, SP), que passou a operar pontualmente abaixo dos preços no porto e voltou ao menor patamar real desde setembro/2018 (deflacionamento pelo IGP-DI de out/21). Já no fim de novembro, as cotações subiram novamente, tanto nos portos quanto no interior do País. As altas nos portos de Santos (SP) e de Paranaguá (PR) e as chuvas abaixo da média para novembro afastaram vendedores do spot nacional, que ficaram à espera da intensificação das valorizações.

Apesar das altas no fim do mês, a média do Indicador em novembro, de R$ 84,19/sc de 60 kg, ficou 6,4% abaixo da de outubro; no acumulado do mês, o cenário também foi de queda, de 2,7%, com o Indicador ESALQ/BM&FBovespa fechando a R$ 84,46/sc no dia 30. Na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, entre 29 de outubro e 30 de novembro, os preços caíram 3,3% no mercado de lotes (negociações entre empresas) e 3,6% no de balcão (preços pagos ao produtor).

As médias mensais de novembro fecfecharam 5,9% e 5,5% abaixo das de outubro. PORTOS – Apesar das altas no início do mês, entre 29 de outubro e 30 de novembro, o cereal negociado no porto de Paranaguá (PR) se desvalorizou 1,6%, e em Santos (SP), 3,4%.

Neste contexto, as exportações se mantiveram desaquecidas em novembro, somando 2,4 milhões de toneladas, praticamente a metade do embarcado no mesmo período de 2020 (4,7 milhões de toneladas), segundo a Secex. No acumulado da temporada (de fevereiro/21 a novembro/21), o Brasil exportou 14,72 milhões de toneladas de milho, 48% abaixo da quantidade escoada no mesmo período da temporada anterior”, afirma o relatório.

Por enquanto, a Conab estima que serão exportadas 20 milhões de toneladas, o que implica o envio de praticamente 5 milhões de toneladas entre dezembro e janeiro/22. Já as importações seguiram aquecidas. Em novembro/21, chegaram aos portos brasileiros 621 mil toneladas de milho, contra 209 mil toneladas em novembro/20. Na temporada, o Brasil importou 2,42 milhões de toneladas, muito mais que as 929 mil toneladas adquiridas no mesmo período da safra antrior.

Campo

Apesar da redução das chuvas ao longo de novembro e das consequentes preocupações dos produtores, o desenvolvimento das lavouras foi satisfatório na maior parte do mês.

“Em Mato Grosso, a semeadura da soja no período ideal elevou as perspectivas para os trabalhos de campo envolvendo o cereal. Segundo o Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária), 92% da área destinada ao milho deve ser implementada até o fim de fevereiro/22, o que pode favorecer a produtividade. Por enquanto, a produção mato-grossense é estimada pelo Imea em 39,57 milhões de toneladas, quase 7 milhões a mais que em 2020/21”, indica o Cepea.

No Paraná, 67% das lavouras estavam na fase de desenvolvimento vegetativo; 26%, em floração; e 7%, em frutificação, segundo dados do dia 29 da Seab/Deral. Até o fim de novembro, estimativas indicavam produção de 4,19 milhões de toneladas, 35% acima da safra 2020/21. No Rio Grande do Sul, a semeadura estava na fase final. Segundo a Emater/RS, 88% da área estimada havia sido implantada até o fim do mês, avanço de 5 p.p. em relação à temporada anterior.

De acordo com a Conab, até o dia 27, a semeadura havia alcançado 95% da área estimada para São Paulo, 99% em Minas Gerais e 96,8% em Santa Catarina. No Maranhão e na Bahia, os trabalhos de campo chegaram a 10% e 56% das respectivas áreas. Em Goiás, as atividades foram encerradas.

Fonte: Cepea