HomeAgricultura

MT discute redução de dependência de fertilizantes importados

MT discute redução de dependência de fertilizantes importadosMeta é reduzir a dependência da importação até 2050. Foto: Pexels

Lucro é a palavra-chave para agronegócio ainda mais sustentável
Clima ainda será ameaça de prejuízo ao agro em 2024, diz especialista
Geração solar centralizada atinge 10 GW de capacidade

Mato Grosso deve elaborar uma Política Estadual de Fertilizantes em acordo com o Plano Nacional de Fertilizantes. O assunto foi tema da reunião na terça-feira, 14/3, entre César Miranda, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec); José Carlos Polidoro, pesquisador da Embrapa e assessor da Secretaria Especial de Assuntos Federativos da Presidência da República; Evandro Soares, reitor da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), e técnicos das pastas e instituições.

A ideia é reduzir a dependência de importação de fertilizantes. O Estado é o maior produtor agrícola do país e, consequentemente, o principal consumidor. A necessidade de comprar os produtos de outros países deixa os agricultores locais  expostos às oscilações do mercado. Em 2022, o Brasil importou cerca de 84% dos fertilizantes que os agricultores precisaram naquele ano, o que representou R$ 100 bilhões.

A proposta é que Mato Grosso seja o primeiro Estado, cuja atividade central é o agronegócio, a debater um plano que  reduza a dependência de fertilizantes importados. Com isso, seria um dos cinco no país a ter um hub temático, um Centro de Excelência de Tecnologia em Fertilizantes, com enfoque em sustentabilidade agroambiental e eficiência agronômica.

Dentre as oportunidades vislumbradas é de que MT possa ter uma planta de ureia/amônia, fertilizantes fosfatados e organominerais até 2025. Além disso, há potencial de produção de fosfato, no município de Jauru, com reserva de 314 milhões de toneladas. O Estado ainda tem potencial para o reaproveitamento de rejeitos de proteína para a produção de fertilizantes orgânicos e organominerais.

“É meta do Plano Nacional de Fertilizantes que, pelo menos, cinco estados brasileiros tenham as próprias políticas até 2025. No Plano Estadual é preciso que sejam previstas políticas de incentivos fiscais para a vinda das fábricas, infraestrutura e o Estado já trabalha com Parque Tecnológico, conhecer os recursos naturais. É preciso estudar mais a parte mineral e descobrir se há novas jazidas, só há indicativos, mas é necessário detalhar. Além do mais, Mato Grosso precisa criar um Comitê Estadual de Fertilizantes para executar as ações do plano, em consonância com o plano nacional”, explicou José Carlos Polidoro.

A meta é de que até 2050, o Brasil possa produzir 50% dos fertilizantes utilizados pelo país.

Geração de empregos

Polidoro explica ainda, que além de reduzir a dependência externa pelos insumos, uma fábrica de fertilizantes gera 600 empregos diretos e cerca de 7 mil indiretos, desde a construção da planta até o produto final entregue nas fazendas.

“Nós somos os maiores consumidores de fertilizantes do país e os maiores produtores de proteína animal e vegetal do Brasil, quase na totalidade importados e com um custo muito grande para a produção de alimentos. A gente tem que trazer essa indústria gerar emprego, gerar tecnologia aqui dentro, melhorar o nosso custo de produção e, obviamente, criar uma independência dos mercados externos”, destacou César Miranda.

A participação da UFMT será fundamental para formação de trabalhadores e especialistas. Um dos trabalhos é o mapeamento e zoneamento dos potenciais minerais em Mato Grosso.

“Esse Centro de Tecnologia em Fertilizantes está dentro também de um projeto do Centro de Tecnologias Minerais. A UFMT tem o curso de Engenharia de Minas, onde poderá agregar com laboratório de ensino, pesquisa e mola propulsora de geração de conhecimento e novas tecnologias”, explicou Evandro Soares.

Fonte: Governo de MT