HomeEcologia

57 grandes empresas respondem por 80% das emissões no planeta

57 grandes empresas respondem por 80% das emissões no planeta

COP26: Balanço da primeira semana mostra promessas sem comprometimentos
Empresários tem que se adiantar para garantir acesso ao Fundo Clima
Economia verde pode criar 250 mil novos empregos

A assinatura do Acordo de Paris em 2015 não se refletiu em uma redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) pelos setores econômicos mais intensivos em carbono. Pelo contrário: segundo um novo relatório divulgado nesta 5ª feira (4/4) pela InfluenceMap, com informações do banco de dados Carbon Majors, o setor de combustíveis fósseis emitiu mais carbono entre 2016 e 2022 do que nos sete anos anteriores à conclusão do acordo.

Mas um olhar atento sobre essas emissões mostra que a maior parte delas está associada a um número pequeno de empresas de combustíveis fósseis e de cimento. Segundo o levantamento, 80% das emissões advindas da queima de combustíveis fósseis no mundo desde a assinatura do Acordo de Paris vêm de apenas 57 grandes empresas privadas e estatais desses setores.

Os dados do Carbon Majors mostram que a maior parte dessas empresas expandiram suas operações mais intensivas na liberação de carbono nos sete primeiros anos desde a assinatura do Acordo de Paris, desafiando diretamente os compromissos internacionais para conter o aquecimento global em 1,5oC neste século.

Outros dados chamam a atenção. De forma mais ampla, 88% das emissões de combustíveis fósseis e do setor de cimento  desde 2016 estão associadas a 117 empresas, sendo 38% diretamente relacionadas a produtores estatais, 37% a empresas com participação governamental, e 25% a companhias privadas.

O aumento das emissões desde a conclusão do Acordo de Paris é mais visível na Ásia, onde as cinco principais companhias privadas e a maior parte das empresas estatais (8 de 10) registraram emissões superiores àquelas observadas no período de 2009 a 2015. Segundo a análise, isso se deve principalmente à expansão da produção de carvão no continente asiático.

Outra informação curiosa é a mudança gradual no perfil dos principais produtores de carvão desde 2016. Nesse período, as empresas estatais assumiram o protagonismo do setor, o que se refletiu também nas emissões de gases de efeito estufa.

Segundo o Carbon Majors, as emissões de empresas privadas de carvão caíram 27,9% entre 2015 e 2022, para 939 megatoneladas de CO2 equivalentes (MtCO2e), ao passo que as emissões de empresas estatais e com participação governamental cresceram 19% (para 2.208 MtCO2e) e 29% (343 MtCO2e), respectivamente.

O levantamento feito a partir do Carbon Majors abordou também as emissões históricas e a pegada das principais empresas de combustíveis fósseis. As cinco maiores empresas privadas dessa indústria – Chevron, ExxonMobil, BP, Shell e ConocoPhillips – foram responsáveis por 11,1% das emissões históricas dos setores de petróleo e cimento, estimadas em 196 gigatoneladas de dióxido de carbono (GtCO2).

Já as cinco maiores empresas estatais – Saudi Aramco, Gazprom, National Iranian Oil Company, Coal India e Pemex – respondem por 10,9% das emissões históricas (194 GtCO2).