HomeEcologia

Desmate avança sobre a Amazônia e acende alerta para o agronegócio

Desmate avança sobre a Amazônia e acende alerta para o agronegócioA Amazônia regula as chuvas das quais dependem a agricultura. Foto: Agência Brasil

‘É possível aumentar a produtividade sem reduzir a vazão dos rios’, diz Ipac
Tereza Cristina diz que novo ministro vai manter sua política na Agricultura
Apostar em tecnologia de precisão pode ser alternativa para escassez de insumos

O produtor já tem sentido a escassez de chuva, grande responsável pelas quebras nas safras recentes, causada pela destruição da Amazônia. Para quem está amargando prejuízos milionários, a notícia não podia ser pior: junho registra um novo recorde de desmatamento.

Dados de monitoramento espacial da Amazônia apresentados na sexta-feira, 8/7, pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe) revelam que, entre os meses de janeiro e junho de 2022, o bioma sofreu a perda de 3988 km² de vegetação. É o quarto ano seguido em que a floresta sofre com aumento dos índices de devastação no primeiro semestre desde o início da série histórica, em 2016.

“A Amazônia é chave para a regulação das chuvas das quais dependem nossa agricultura, nosso abastecimento de água potável e a disponibilidade de hidroeletricidade. O roubo de terras públicas e o garimpo ilegal, que não geram riqueza ou qualidade de vida, está destruindo nosso futuro”, afirma a gerente de ciências Mariana Napolitano, da WWF.

Grande parte da devastação se deu apenas no mês de junho, com a perda de 1120 km² da floresta. Esse mês também foi de pico no ano anterior, quando o Inpe registrou a perda de 1061 km². Neste mês em 2022, o estado do Amazonas foi o recordista em devastação, com 401 km² de floresta derrubada. Na sequência está o Pará, com uma área de desmatamento de 381 km².

Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), que faz o acompanhamento constante dos dados do Inpe, chama a atenção para a proporção de área pública devastada, que foi palco de 51,6% dos casos de desmatamento. Na sequência estão as florestas públicas não destinadas, com 33,2%, e então as propriedades rurais, onde ocorreu 28,3% da devastação no bioma amazônico.

A diretora de ciência do Ipam, Ane Alencar, alerta que essa alta no desmatamento é fruto principalmente da impunidade contra atividades econômicas clandestinas na floresta. Esse fenômeno tende a se agravar nos próximos meses. “Em um ano de eleição isso se torna ainda mais preocupante, pois os esforços de fiscalização normalmente diminuem e a sensação de impunidade aumenta, deixando os desmatadores mais à vontade para avançar sobre a floresta”, explica.

Fonte: Congresso em Foco