HomeEcologiaAgricultura

Empresas do Reino Unido deixarão, até 2025, de comprar soja de áreas desmatadas

Empresas do Reino Unido deixarão, até 2025, de comprar soja de áreas desmatadas

Banqueiros recorrem a Tarcísio por mudanças em política ambiental
Carne rastreada e livre de desmatamento de Mato Grosso chega à rede Carrefour
UE adota regras para impedir consumo e compra de áreas desmatadas

Empresas do Reino Unido anunciaram nesta terça-feira, 9/11, um compromisso em deixar de comprar soja de áreas desmatadas até 2025 e, assim, cortar a destruição ambiental causada pela cadeia da commodity.

Assinam o Manifesto da Soja do Reino Unido 27 empresas, entre elas, os maiores varejistas de alimentos  locais (Tesco, Asda, Sainsbury’s, Waitrose, Marks & Spencer e Islândia), alguns dos maiores produtores de carne (Avara Foods, 2 Sisters Food Group, Cranswick, Pilgrim’s UK) e empresas e marcas de serviços alimentícios (como Danone UK e Irlanda, Nestlé UK e Irlanda, Nando’s, KFC UK e Irlanda e McDonald’s UK e Irlanda).  Os signatários representam cerca de 60% de toda a soja comprada no Reino Unido a cada ano.

A conversão de florestas e outros ecossistemas para a produção agrícola – incluindo a produção de soja, palma, carne bovina e madeira – tem grande impacto nas mudanças climáticas e na perda de biodiversidade, predominantemente por meio de desmatamentos e desaparecimentos da vegetação natural. Quase um quarto (23%) das emissões globais de gases de efeito estufa causadas pelo homem vêm da agricultura, silvicultura e outros usos da terra, e a maioria dessas emissões se deve ao desmatamento.

No documento, eles se comprometem a que nenhuma soja que chegue ao Reino Unido seja responsável pelo desmatamento ambiental para a agricultura após janeiro de 2023; exigir e apoiar  fornecedores para garantir que as metas sejam cumpridas; fazer constar  esse compromisso  de contratos e apoiar relatórios aprimorados com objetivo de verificar se a origem “limpa” da soja.

Tanya Steele, Executiva Chefe do WWF, afirma que o Manifesto da Soja do Reino Unido é a chance de uma mudança real de acabar com o desmatamento  e destruição ambiental resultante da produção de soja  e todos devem se comprometer com isso.

“Não esqueceremos aqueles que falharam em proteger nosso planeta”, lembrou Tanya.

Para Hannah Cornick, chefe de Sustentabilidade e Inovação Social da Danone Reino Unido e Irlanda, acabar com o desmatamento impulsionado por commodities é vital para enfrentar a crise climática e preservar a biodiversidade, bem como proteger as comunidades em todo o mundo.

“A colaboração é essencial para impulsionar a ação necessária em todo o setor – e é por isso que compromissos coletivos como o anúncio de hoje são tão importantes. Relatórios abertos e transparentes também são essenciais à medida que continuamos a nos esforçar para ir mais longe e fazer mais pelas pessoas e pelo planeta”.

Marija Rompani, diretora de Ética e Sustentabilidade da John Lewis Partnership, destacou a importância da união da empresas envolvidas na complexa cadeia global de abastecimento da soja.

“Agindo em conjunto, as empresas no Reino Unido e mais amplamente podem atingir a massa crítica necessária para ajudar a transformar a maneira como a soja é cultivada e comercializada e permitir o fornecimento em escala de soja sem desmatamento”.

Ela acredita que o manifesto e outras iniciativas nacionais, legislação de due diligence, além dos compromissos sobre florestas anunciados por governos nacionais, o setor financeiro e traders de commodities agrícolas na COP26, podem criar um verdadeiro ponto de virada para a natureza em ecossistemas preciosos como o Cerrado.

“A soja é a commodity de risco florestal de maior impacto da cadeia de suprimentos da Tesco. É por isso que já assumimos o compromisso de que até 2025 só compraremos soja de áreas inteiras verificadas como livres de desmatamento. Mas não podemos resolver esse problema por conta própria”, disseKen Murphy, CEO da Tesco.

Paul Willgoss, diretor de Tecnologia da Marks & Spencer Food, falou sobre como  a  indústria global de alimentos se tornou excessivamente dependente da soja e como isso impactar negativamente a natureza em lugares como a Amazônia brasileira.

“Queremos fazer nossa parte no apoio a uma ampla transição da indústria para um modelo mais sustentável de produção de soja que proteja a saúde de nosso planeta e esperamos trabalhar em estreita colaboração com outros signatários do Manifesto da Soja do Reino Unido para alcançar isso”, disse Willgoss