HomeEcologia

Hidrelétricas bloqueiam 10% das áreas de pesca no Rio Cuiabá

Hidrelétricas bloqueiam 10% das áreas de pesca no Rio Cuiabá

Um alerta sobre os riscos de produtos veterinários piratas
Na contramão de outros estados, MT perdeu superfície de água em 2022
Mapa suspende feiras de aves para evitar gripe aviária no País

Peixes como pintado, cachara, jaú e piraputanga, que têm seu espaço natural no Rio Cuiabá, podem estar em risco com a construção de hidrelétricas. Esta é uma das conclusões do estudo  realizado por uma estudante de pós-graduação em Ecologia e Conservação da Biodiversidade, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Publicado na revista “Science of the Total Environment”, o estudo “Efeitos negativos das mudanças climáticas sobre os recursos pesqueiros neotropicais podem ser exacerbados por hidrelétricas”, de Luiza Peluso, aponta que 10% das áreas disponíveis para pesca na sub-bacia do Rio Cuiabá são bloqueadas por hidrelétricas em operação. E esse cenário pode se agravar.

“Em um cenário futuro em que consideramos as hidrelétricas em operação e as previstas, este bloqueio pode ser de até 67%”, diz a autora.

Como  foi feita a pesquisa?

A estudante explica que a pesquisa avaliou os efeitos das mudanças climáticas e a fragmentação do rio por barragem sob os peixes de água doce na Bacia do Alto Paraguai.

O artigo estima os habitats climaticamente adequados com base nas variáveis ambientais como temperatura, precipitação e elevação e registros de ocorrências de 14 espécies de peixes migradores.

Responsáveis: hidrelétricas e mudanças climáticas

O material traz em seus resultados que a construção de hidrelétricas atua em conjunto com as mudanças climáticas e poderá impedir os deslocamentos a montante dos peixes migradores.

“Cerca de 4% da área de distribuição atual e até 45% da área de distribuição futura de peixes migratórios devem ser bloqueados por barragens na Bacia do Alto Paraguai. Consequentemente, isso também afetará negativamente o rendimento da pesca e a segurança alimentar no futuro”, ressalta a autora do artigo.

O que fazer?

A pesquisadora defendeu que são necessárias medidas de conservação efetivas, como  ações do poder público alinhadas à ciência para conservar o rio para as futuras gerações.

“A Bacia do Alto Paraguai, onde o Rio Cuiabá está inserido, possui alta diversidade de peixes que depende da conexão entre os rios localizados no Planalto com a planície de inundação que formam o Pantanal. Além disso, a pesca é uma importante atividade econômica da região, logo muitas pessoas usam o peixe como fonte de alimento e renda”, disse Luiza Peluso.

Segundo a pós-graduanda, manter as funções ecológicas e sociais dos habitats de água doce e conservar os peixes migratórios são questões importantes no atual contexto global de emergência do declínio dos peixes migratórios e mudanças climáticas.

“Destacando também que a conservação sustentável da vida de água doce é uma forma de fornecer alimentos, água potável e renda para a população no futuro com o mínimo de danos a esse ecossistema mega diverso”, finalizou.

Fonte:  UFMT

LEIA TAMBÉM:
Em MT, Bacia do Tapajós sofre alto impacto ambiental por causa de hidrelétricas