HomeEconomia

Coalizão Brasil mobiliza governo para criação de política nacional de bioeconomia

Coalizão Brasil mobiliza governo para criação de política nacional de bioeconomia

MT discute medidas para regularizar Parque Serra Ricardo Franco
Imac apresenta balanço sobre a Missão Europa a pecuaristas de MT
Governo atualiza preços mínimos de produtos da biodiversidade da safra de 2022

Cerca de 300 representantes do agronegócio, indústria, sociedade civil, setor financeiro e academia enviaram nesta quinta-feira, 16/9, um documento aos ministros da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Meio Ambiente; Economia; Desenvolvimento Regional e Ciência e Tecnologia para a criação de uma Política Nacional de Bioeconomia. Eles integram a chamada Coalizão Brasil.

O termo bioeconomia vem caindo, cada vez mais, na boca do povo. O conceito explora a interface entre agricultura, pecuária e florestas com o objetivo de alavancar sistemas produtivos sustentáveis e biodiversos que promovam restauração de paisagens, regeneração do solo, conservação de biodiversidade, valoração dos serviços ecossistêmicos, eficiência agropecuária e inclusão socioeconômica de comunidades tradicionais e agricultores familiares.

Para que o potencial da bioeconomia brasileira se concretize, é fundamental a atuação do Estado. A iniciativa parte do princípio de que o país precisa discutir e propor incentivos fiscais que aumentem o volume de transações formais, além de destravar o acesso às linhas de crédito disponíveis e otimizar uso de linhas de financiamento voltadas à bioeconomia e descarbonização, integradas aos compromissos assumidos pelo Brasil em acordos internacionais de clima, biodiversidade e redução da pobreza.

Uma política nacional de bioeconomia permitiria também fortalecer programas de fomento à pesquisa, desenvolvimento e inovação aplicada no tema, com foco em florestas e biodiversidade, baseada em parcerias público-privadas, em consonância com a Lei da Biodiversidade e o Protocolo de Nagoya.

Para a Coalizão Brasil, esse trabalho deve se pautar pelo absoluto respeito aos direitos de povos indígenas e comunidades tradicionais, via repartição de benefícios pelo acesso ao conhecimento tradicional associado à biodiversidade, de acordo com a legislação brasileira e internacional sobre o tema. Os modelos de incentivo de transferência tecnológica e saberes tradicionais precisam ser pensados numa lógica de inclusão e colaboração entre público e privado, adaptando o sistema nacional de inovação a essa realidade.

“O Brasil tem plenas condições para se tornar protagonista da nova Bioeconomia se alinhar o uso responsável da enorme biodiversidade de seus biomas com o conhecimento de povos e comunidades tradicionais, o capital social de agricultores familiares e a potente capacidade de inovação das empresas brasileiras do setor florestal e agrícola”, afirma Luciana Villa Nova, consultora-executiva em sustentabilidade e bioeconomia e uma das líderes da Força-Tarefa de Bioeconomia da Coalizão Brasil.