HomeEconomiaPecuária

Exportações de carne bovina de MT em maio caem 8,8% ante abril

Exportações de carne bovina de MT em maio caem 8,8% ante abrilPaíses do Oriente Médio compraram em maio 28,05% menos carne do MT. Foto: Agência Brasil

China anuncia mais suspensão de importação de carne da JBS e Marfrig
China colhe primeira safra de ‘arroz espacial’
Mapa cita ‘equívoco’ em caso de suspensão da produção de carne para China

As vendas externas de carne bovina de Mato Grosso em maio caíram 8,85% em relação a abril, em equivalente-carcaça, informou o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), em boletim semanal. No mês passado, foram embarcadas ao exterior 42,39 mil toneladas de carne bovina, sendo que, em abril, o desempenho foi de 46,51 mil toneladas.

A China adquiriu a maior quantidade, com 28,4 mil toneladas, ou 5,9% menos ante abril. Em relação ao faturamento obtido com as vendas da proteína vermelha ao exterior, houve recuo de 3,72% em maio ante abril, para US$ 212,6 milhões.

Mesmo com o gigante asiático tendo comprado menos carne bovina mato-grossense, o Imea observa que o que de fato fez com que os embarques recuassem no mês passado foram as menores aquisições dos países do Oriente Médio, que compraram 28,05% menos. A Palestina, por exemplo, adquiriu 65,5% menos carne bovina de Mato Grosso em maio ante abril.

Abate bovino

No mesmo boletim, o Imea informa que uma maior quantidade de bovinos enviados para os frigoríficos no mês de maio permitiu o aumento da utilização da capacidade de abate em Mato Grosso. Houve incremento de 15,62 pontos porcentuais em maio em relação ao mês anterior, para 88,82% da capacidade real de abates. Isso equivale ao abate médio de 18,2 mil cabeças de gado por dia, diz o Imea.

Capacidade “real” diz respeito ao número de frigoríficos efetivamente em operação.

Segundo o Imea, para este mês de junho, ainda se espera elevada oferta de bovinos terminados por causa do início da seca, e, com isso, “o retorno das compras de algumas indústrias tende a aumentar a competitividade no mercado”.

Fonte: Estadão Conteúdo