HomeEconomiaPecuária

Suinocultores pedem medidas emergências para conter crise

Suinocultores pedem medidas emergências para conter crise

Crise dos fertilizantes pode afetar abastecimento no Brasil
FPA vai se reunir com armadores para debater crise dos contêineres
Preços de fertilizantes sobem no País com crise entre Rússia e Ucrânia

Lideranças da suinocultura se reuniram com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, para solicitar medidas emergenciais que possam minimizar os efeitos ocasionados pelos altos custos de produção e o baixo preço pago no quilo dos animais.

Além da ministra e os presidentes das Associações filiadas estaduais e frigoríficos membros do Sistema da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS), participaram da reunião, na quarta-feira, 26/1, em Brasília, os secretários de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Guilherme Bastos Filho, e de Comércio e Relações Internacionais, Orlando Leite.

O presidente da ABCS, Marcelo Lopes, apresentou à ministra um ofício protocolado com algumas sugestões emergências, de curto prazo.

De acordo com os dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), no período de fevereiro/2020 a janeiro/2022, a soja subiu 105% e o milho 80%, mas o preço pago ao quilo da carcaça suína não se manteve na mesma intensidade, apenas 17%, e com pico máximo de aumento de 75% durante o mês de novembro de 2020.

Um dos nossos pleitos é a possibilidade de manter a isenção das alíquotas de contribuição incidentes na importação do milho (PIS/COFINS) até dezembro de 2022, pois a desoneração é um meio de dar folego aos produtores, tendo em vista a alta do custo de produção”.

O presidente da Frente Parlamentar Mista da Suinocultura, o  deputado federal Covatti Filho reforçou que a estiagem no Sul do país e no Mato Grosso do Sul intensificou ainda mais o cenário difícil que a suinocultura tem enfrentado.

Nos dados mais atuais, os suinocultores vêm trabalhando no prejuízo, com os custos de produção maior que o valor pago para produzir os animais”.

Lopes reforçou ainda medidas, como: a possibilidade de promover linhas de créditos para momentos de crise, por meio das instituições bancárias que operam crédito rural; a reativação da linha de crédito de custeio, direcionada para a Retenção de Matrizes Suínas (com a concessão de limite de crédito de 2,5 milhões de reais por beneficiário); e a prorrogação do prazo de pagamento dos custeios pecuários em um ano conforme previsto no Manual de Crédito Rural.

Tereza Cristina disse estar acompanhando a crise no setor e irá priorizar, com a equipe técnica do Mapa, as propostas citadas e também outras, com intuito de minimizar os impactos negativos que atingem o produtor.

Fonte: ABCS