HomeProdutividade

Agricultura amplia número de Estados que precisam respeitar calendário da soja

Agricultura amplia número de Estados que precisam respeitar calendário da soja

Consórcio de grãos com forrageiras controla plantas daninhas na soja
Terceira estimativa da Conab para safra 2022/23 indica recorde de 312,20 mi/t
Umidade em silos de Água Boa ameaça soja armazenada

O Ministério da Agricultura publicou nesta quinta-feira, 2/9, no Diário Oficial da União, a Portaria nº 389 que estabelece calendários de semeadura de soja 2021/2022. A semeadura, que até então era estabelecida apenas para os Estados da Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Tocantins, passa ser obrigatória também para os Estados do Acre, Alagoas, Amapá, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraná, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima e São Paulo, totalizando 20 unidades da federação com período determinado para início e final do plantio.

“A medida fitossanitária, implementada no Programa Nacional de Controle da Ferrugem Asiática da Soja (PNCFS), visa racionalizar o número de aplicação de fungicidas e reduzir os riscos de desenvolvimento de resistência do fungo Phakopsora pachyrhizi às moléculas químicas utilizadas no controle desta praga”, justificou a pasta em nota.

Conforme a Agricultura, os calendários foram estabelecidos a partir das sugestões de Agências Estaduais de Defesa Agropecuária e do Zoneamento Agrícola de Risco Climático, “ajustados em função das condições peculiares de cada região produtora”.

A coordenadora-geral de Proteção de Plantas, Graciane de Castro, disse que o PNFS “identificou a necessidade de ampliação da coleta de dados que amparem a delimitação dos diferentes períodos dos calendários de semeadura, assim como o seu efetivo impacto nos resultados pretendidos do programa”.

Em Mato Grosso, o vazio sanitário da soja vai até o dia 15 de setembro.

Fonte: Estadão Conteúdo