HomeEcologia

168 entidades divulgam carta contra construção de porto no Rio Paraguai

168 entidades divulgam carta contra construção de porto no Rio Paraguai

Uso excessivo de agrotóxico em MT contamina solo e água de três cidades
Adubação de pastagem é garantia de mais arroba por hectare
Mato Grosso é o 2° Estado que mais perde água no Brasil

Em protesto à construção do Porto Barranco Vermelho, no Rio Paraguai, em Cáceres (MT), 168 entidades divulgaram uma carta-denúncia, na sexta-feira, 11/2. As organizações alertam para o que chamam de “possíveis manobras para liberar a instalação de um terminal, que, além de prejudicar as comunidades locais, o empreendimento pode causar o fim do bioma Pantanal”.

A licença prévia para construção da Unidade Portuária de Barranco Vermelho, no Rio Paraguai, foi aprovada em 26 de janeiro, pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema). Segundo a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), trata-se de um complexo de armazenagem de cargas que servirá para embarque e desembarque de mercadorias da produção agropecuária da região para transporte pela hidrovia Paraguai-Paraná.

Na carta, eles afirmam que a licença prévia ignora orientações e recomendações de organizações ambientalistas, governamentais, produções e estudos acadêmicos, além de posicionamentos públicos do Ministério Público Federal.

Como exemplo, eles citam organizações ambientalistas como o Observatório Pantanal e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio). Ambos manifestaram posicionamentos contrários “à navegação no Pantanal, via Rio Paraguai, alertando que a construção da hidrovia causará danos à Estação Ecológica de Taiamã e ao meio ambiente como um todo, inclusive à atividade pesqueira”.

De acordo com o texto, há contra a instalação do porto no Rio Paraguai ainda o parecer técnico sobre a hidrovia Paraguai-Paraná, elaborado pela pesquisadora Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Pantanal, Débora Fernandes Calheiros. Ela nomeia de forma detalhada que a criação da hidrovia colocará em risco: a Unidade de Conservação Federal – Estação Ecológica de Taiam, o Parque Estadual do Guirá, localizado junto a foz do Rio Cuiabá; e o Parque Nacional Pantanal Mato-grossense, considerado como Sítio Ramsar em 1993 – sítio de área úmida de importância internacional pela Convenção Ramsar de Conservação de Áreas Úmidas

Além dos alertas e recomendações explicitas sobre as ameaças que resultariam da circulação de embarcações nos rios do Pantanal, as entidades destacam no texto que há ações do Ministério Público Federal (MPF) junto à Justiça, pelo menos nas duas últimas décadas, com o propósito de barrar tais empreendimentos

Em coletiva, que ocorreu na Associação dos Docentes da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT),  organizações revelaram que decidiram denunciar o processo e já protocolaram pedidos de audiência junto ao MPF, Ministério Público Estadual (MPE), Tribunal de Justiça (TJMT), Governo do Estado e Assembleia Legislativa (ALMT).

Nas falas de pesquisadores e membros de entidades, foram destacadas a falta de transparência, a pressa em lidar com a questão e as falhas do processo. A coordenadora da Rede de Comunidades Tradicionais Pantaneira, Claudia Sala de Pinho, lembrou que os moradores não foram ouvidos nesse processo.

Os estudos não consideram as populações pantaneiras. O Estado, o Poder Público, não pode ignorar a existência de grupos sociais que vivem na região há milênios. Além disso, não é empresa que faz audiência, é o Estado”, afirmou.

Ela destacou ainda os impactos nos aspectos econômicos, culturais e ambientais que a instalação do porto em Cáceres vai causar.

“Quanto vale tirar o alimento do rio para sustentar sua família, as vezes três, quatro filhos? Esses aspectos não foram considerados. O documento apresentado ao Consema/MT visa apenas cumprir um protocolo. O projeto prevê a criação de 135 empregos. O que significa isso numa cidade como Cáceres, de mais de 100 mil habitantes? O aspecto negativo toda a sociedade vai pagar”, concluiu.

A pesquisadora Márcia Montanari, do Núcleo de Estudos Ambientais e Saúde do Trabalhador (NEAST/UFMT) e diretora da Associação dos Docentes da UFMT, disse que o projeto vai contra as reais necessidades do Pantanal.

“O NEAST realiza o monitoramento das águas do Pantanal e já identificou resíduos de agrotóxicos utilizados na cultura da soja e do algodão, tanto na água da chuva quanto no abastecimento. Isso é preocupante para a saúde ambiental e humana”, afirmou a docente.

O membro do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema/MT), Lourival Vasconcelos, que relatou as falhas nos estudos apresentados pela Sema-MT, lembrou que o Porto Barranco Vermelho é apenas um dos empreendimentos previstos para a região. Ele baseou suas críticas em três aspectos: insegurança jurídica, estudos e avaliação dos impactos não realizados e comunidades não ouvidas.

“São 111 pendências. Isso representa 680 páginas de perguntas sem respostas no EIA/RIMA, descaracterizando o documento. Virou uma colcha de retalhos. Nesses casos, a legislação brasileira prevê o indeferimento de qualquer documento, porque, pelo princípio da precaução, se eu não tenho certeza, devo privilegiar o meio ambiente”, disse.

Aqui é possível ler a carta na íntegra.

LEIA MAIS:
Pantanal em risco: licença para instalar porto em Cáceres é aprovada