HomeAgriculturaProdutividade

Safrinha de milho avança a 57,09% de semeadura, apesar da chuva

Amaggi expande área de algodão em 33% com investimento de R$ 1 bi
Volume de abates em dezembro foi o maior de todo o ano de 2021 em MT
Oferta de milho em MT deve ser de 40,57 milhões de t na safra 2021/22, diz Imea

Por Vinicius Marques

Na última sexta-feira (11/02), o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) atualizou a porcentagem de semeadura da safrinha de milho 2021/22 para 57,09%, avançando 15 pontos percentuais em relação à última semana. Os dados são um ótimo indicativo do andamento da safra, quando comparados ao ano anterior, que estava em apenas 20,9% de milho semeado, e ao mesmo período em 2019/20, com 38,94%.

“É esperado que cerca de 93,91% das áreas sejam semeadas dentro da janela considerada ideal”, disse o instituto.

De acordo com Monique Kempa, coordenadora de inteligência de mercado do Imea, o avanço atual do milho se deve, principalmente, ao adiantamento da semeadura da soja, no semestre passado. “Quando analisamos a média dos últimos cinco anos, está evoluindo bem”, afirma Kempe. “Poderia estar avançando ainda mais, se não fosse o grande volume de chuvas em algumas regiões”.

Segundo reportado pelo Canal Rural, a colheita da soja segue avançando nos intervalos de chuva, limitando ainda o início da safrinha de milho. “Os índices de umidade e avariados seguem altos e tornam mais lenta a logística entre as lavouras e os armazéns. Também há queixa de grãos com excesso de umidade em Rondônia e Minas Gerais”, aponta o portal de notícias.

No AgroPapo do canal do youtube do Gigante 163, Cid dos Reis, engenheiro agrônomo do Grupo Bom Futuro, comentou sobre como a chuva tem desacelerado a colheita da soja. Cid afirmou que o produtor tem de estar sempre bem informado, para saber o momento certo de agir e impedir que ocorra grandes avarias na lavoura.

“O clima influencia diretamente nos momentos de plantio, colheita, aplicações de produtos, movimentação de maquinário e probabilidade de pragas e doenças”, afirma o engenheiro. O papo completo com Cid dos Reis, você confere aqui.

A previsão para os próximos três meses apresenta ainda um alto índice pluviométrico. A estimativa, no entanto, é positiva para o decorrer do milho, uma vez que a chuva contribui para o bom desenvolvimento das lavouras.

“Estamos esperando por chuvas acima da média histórica e isso é bastante favorável para conseguir ter armazenamento de umidade no solo”, afirma a coordenadora do Imea.

Oferta e demanda 

Por causa da estiagem nos Estados do Sul, estima-se que a dinâmica do mercado interno do milho irá favorecer nosso Mato Grosso. “Isso é uma questão de oferta e demanda”, explica Monique Kempe. “Como houve uma menor produção no Sul e aqui estamos com uma safra boa, a expectativa é que haja uma demanda maior pelo milho mato-grossense”.

O Imea estima que a produção do cereal seja de 40,4 milhões de toneladas, 24% acima do observado no ciclo de 2020/21. A comercialização da safrinha mato-grossense fechou o mês de janeiro em 48,48%, 19,47 pontos percentuais abaixo que o mesmo período do ciclo anterior, mas próximo aos 48,07% da média dos últimos cinco anos.

Segundo o último boletim do milho publicado pelo instituto no dia 07/02,  o preço médio do cereal disponível no estado subiu 9,73% em relação à última semana de levantamento do Imea, ficando cotado na média de R$ 76,48/sc.

“As cotações do cereal, na CMEGroup, apresentaram alta de 3,02% em relação à semana passada, com valor médio de US$ 6,25/bu”, indica o boletim.