HomeEcologia

Amaggi recebe nota ‘A’ do CDP em gestão florestal e produção de soja

Amaggi recebe nota ‘A’ do CDP em gestão florestal e produção de soja

Julho começa mais ‘milionário’ para Lucas do Rio Verde
Amaggi anuncia meta de eliminar desmatamento na cadeia até 2025
Agricultura 4.0 avança

A Amaggi, maior empresa brasileira de grãos e fibras do agronegócio, com sede em Cuiabá (MT), foi reconhecida pela organização internacional ambientalista CDP como a única empresa global de produção e comercialização de soja a alcançar a nota “A” no combate ao desmatamento em 2021, garantindo seu lugar na “Lista A” das melhores companhias do mundo em manejo florestal.

Conforme comunicado da empresa, foram avaliadas quase 12 mil companhias no quesito sustentabilidade corporativa.

“Esta é a terceira vez consecutiva que a Amaggi é reconhecida pelo CDP pela forma como a combate o desmatamento no setor de soja. E é importante que outras empresas também se juntem a nós no futuro, para que tenhamos um processo de transformação rumo a uma cadeia de grãos livres de desmatamento e conversão, em linha com a agenda estabelecida na COP 26”, declarou na nota a diretora de ESG, Comunicação e Compliance da Amaggi, Juliana de Lavor Lopes.

A Amaggi destacou que se comprometeu publicamente a eliminar o desmatamento e a conversão de vegetação nativa em sua cadeia de valor até 2025 como parte de suas novas metas ESG, anunciadas em setembro. Além disso, a empresa aderiu à Science Based Targets Initiative (SBTi), por meio da campanha Business Ambition for 1.5º C, e, com isso, passou a fazer parte do movimento global Race to Zero, liderado pela Organização das Nações Unidas. Comprometida com a SBTi, a Amaggi espera zerar suas emissões de carbono (NetZero) até o ano de 2050 – por meio de estratégias de descarbonização até 2035 e de neutralização de eventuais emissões residuais, tornando-se a primeira empresa brasileira a assumir tais ambição e compromisso.

O levantamento anual do CDP e o processo de pontuação das companhias são amplamente reconhecidos como o padrão ouro de transparência ambiental corporativa. Em 2021, mais de 590 investidores com mais de US$ 110 trilhões em ativos e 200 grandes compradores com US$ 5,5 trilhões em gastos com aquisições solicitaram que as empresas divulgassem dados sobre impactos ambientais, riscos e oportunidades por meio da plataforma do CDP; 13 mil empresas responderam (um recorde).

A pontuação do CDP para florestas é conduzida pela perspectiva das quatro commodities que causam a maior parte do desmatamento: produtos madeireiros, produtos pecuários, soja e óleo de palma. As empresas precisam obter uma pontuação A em pelo menos uma dessas commodities de risco florestal para ganhar um lugar na “Lista A” de Florestas.

Fonte: Estadão Conteúdo