HomeEconomiaEcologia

Maioria dos executivos brasileiros acredita que mudança climática impactará negócios em 2022

Maioria dos executivos brasileiros acredita que mudança climática impactará negócios em 2022

Mato Grosso aguarda assinatura de acordo de 15 milhões de euros com Alemanha, anuncia secretária
MT tem potencial para captar US$ 500 milhões ao ano com venda de créditos de carbono
Mato Grosso apresenta plano de neutralização de carbono com meta antecipada

A maioria dos executivos brasileiros (63%) acredita que as mudanças climáticas  devem impactar a venda de produtos e serviços ao longo de 2022. Os dados são da 25ª edição da pesquisa CEO Survey, feita pela empresa de consultoria e auditoria PwC.

A instabilidade macroeconômica  (69%), os riscos cibernéticos (50%)e a desigualdade social (38%) são consideradas no Brasil as principais ameaças para os negócios, mas 45% dos CEOs do país acreditam que a questão ambiental pode diminuir a capacidade de uma empresa de levantar capital e 39% temem que interfira no desenvolvimento de produtos e serviços.

Trata-se de um assunto de primeira ordem que intercorre por todas as instâncias. Por essa razão as empresas precisam estar mais comprometidas com os movimentos de neutralidade de carbono”, observa Colombari.

A mais recente edição da pesquisa anual revela as perspectivas dos CEOs do Brasil e do mundo sobre crescimento, ameaças, prioridades estratégicas e compromissos ESG. Ao todo, foram ouvidos aproximadamente 4.400 CEOs, em 89 territórios, entre outubro e novembro de 2021, com uma participação expressiva de líderes do Brasil.

A urgência do combate às mudanças climáticas e iniciativas de inclusão foram colocadas à prova nesta edição e os resultados mostram que o tema entrou nas agendas das corporações, mas que ainda há muito o que avançar.  Apesar dos crescentes interesses nos temas ESG, as estratégias das empresas ainda são influenciadas principalmente por métricas de negócios não condicionadas às questões ambientais e sociais.

A maioria dos CEOs no Brasil e no mundo tem metas relacionadas à satisfação do cliente, engajamento de funcionários e automação ou digitização incluídas em suas estratégias de longo prazo, de acordo com o estudo. Esses resultados não financeiros estão vinculados ao desempenho dos negócios.

Já as metas relacionadas às emissões de gases do efeito estufa (GEE), à representação de gênero ou à diversidade racial e étnica estão muito menos representadas nas estratégias e na remuneração variável.  De acordo com a pesquisa, cerca de 13% ou menos dos CEOs no Brasil e no mundo têm essas metas presentes em seu bônus anual ou plano de incentivos, em comparação com um percentual que varia entre 23% e 42% para a estratégia de longo prazo.

A situação é diferente para setores nos quais as mudanças climáticas representam uma ameaça existencial mais direta. Por exemplo, 30% dos CEOs do setor de energia têm metas de emissões de GEE vinculadas à sua remuneração pessoal. Em contraste, esse percentual é de apenas 9% no setor de saúde e de 8% na indústria de tecnologia, mídia e telecomunicações.

A boa notícia da pesquisa é que a proporção de empresas com compromissos Net Zero (27%) e carbono neutro (31%) no Brasil supera a média global, 22% e 26%, respectivamente. De acordo com a pesquisa, o principal fator de influência por trás dos compromissos Net Zero no Brasil é atenuar os riscos das mudanças climáticas (68%), seguido de estimular inovações em produtos/serviços (63%), satisfazer às exigências dos investidores (61) e atender às expectativas dos consumidores (61%).

Apesar de números ainda baixos, é positiva a inserção de metas ESG nas agendas das empresas e nas estratégias de negócios, pois mostra que os líderes estão comprometidos de alguma forma com a redução das emissões dos gases de efeito estufa. Sabemos que há muito a ser feito ainda, mas o caminho está sendo traçado”, completa Marco Castro, sócio-presidente da PwC Brasil.

O estudo indica também o crescimento na percepção das empresas em relação a seus ativos, recursos e relacionamentos como fatores que favorecem mais a criação de valor financeiro do que a redução de emissões de gases do efeito estufa (GEE). Estes mesmos elementos passam a ter mais impacto do que a regulamentação governamental na redução das emissões.

A CEO Survey mostrou ainda que empresas que assumiram compromissos com alinhamento científico têm uma tendência maior a incluir metas de emissões em suas estratégias corporativas e planos de remuneração dos CEOs. 70% dos CEOs responderam que as suas metas Net Zero com alinhamento científico estão alinhadas às estratégias corporativas a longo prazo e 34% a bônus anual ou plano de incentivos. Para os executivos, os fatores que mais influenciam os compromissos Net Zero são atenuar os riscos das mudanças climáticas e atender às expectativas dos consumidores.

Fonte: PwC