HomeEcologiaEconomia

Relatório revela empresários com mais sobreposições em terras indígenas

Relatório revela empresários com mais sobreposições em terras indígenasDesmatamento e conflitos estão atrelados ao dado. Foto: Agência Brasil

Governo estuda reduzir encargo sobre frete marítimo
Veja ações de Mato Grosso para proteção dos seus três biomas
Puxado pelo agro, MT foi Estado que mais gerou empregos formais

Por André Garcia

Com o título “Os Invasores: quem são os empresários brasileiros e estrangeiros com mais sobreposições em terras indígenas”, um relatório revela de forma inédita o nome de pessoas físicas e jurídicas por trás de 1.692 casos de sobreposição de fazendas em territórios delimitados pela Funai.

De multinacionais com sede em outros países a investidores estrangeiros, as conexões se espalham por 14 países, afirma o documento, que foi produzido pelo núcleo de pesquisas do observatório De Olho nos Ruralistas.

Entre as  gigantes do setor figuram Bunge, Amaggi, Bom Futuro, Lactalis, Cosan, Ducoco e Nichi, além de bancos e fundos de investimento como Itaú e Bradesco XP, Gávea Investimentos, IFC e Mubadala.

A partir do cruzamento de bases de dados fundiários do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o estudo revela que Mato Grosso é o estado brasileiro com a maior área de fazendas sobrepostas , com 371,5 mil hectares. O número corresponde a 247 sobreposições e foi apontado

Mato Grosso tem maior área de sobreposições no país. Crédito: De Olho Nos Ruralistas

O levantamento mostra que as 1.692 sobreposições de fazendas em terras indígenas correspondem a 1,18 milhão de hectares, uma área do tamanho do Líbano. Deste valor, 95,5% estão em territórios pendentes de demarcação.

Os setores de grãos, carne, madeira, açúcar, etanol e fruticultura são os principais responsáveis pelas sobreposições. O dado está relacionado a outro problema grave: entre 2008 e 2021, 46,9 mil hectares foram desmatados em áreas de sobreposição de fazendas em terras indígenas.

De acordo com a publicação, conflitos territoriais e assassinatos de líderes indígenas seguem o rastro das sobreposições. Como já mostrado pelo Gigante 163, esta combinação pode prejudicar o avanço do agronegócio mato-grossense, já que compromete sua credibilidade no exterior.

Além disso, o quadro de violência e de crise humanitária faz com que empresas deixem de investir na Amazônia por questões de reputação. Isso porque os critérios ESG (Meio ambiente, social e governança – em tradução do inglês) estão se tornando cada vez mais rígidos.

Participação direta do agronegócio

A partir de um enfoque econômico, a pesquisa detalha a participação direta do agronegócio nessa invasão sistêmica. E não somente pela pressão política contra as demarcações — encabeçada, em Brasília, pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), e pelo ecossistema de associações e grupos de lobby que a sustentam.

O setor mobiliza recursos para travar processos na Justiça e impedir o reconhecimento de novos territórios, enquanto lucra com sua exploração econômica. Entre as áreas de imóveis rurais sobrepostas em terras indígenas, 18,6% são atualmente destinadas à produção agropecuária.

Desse total, 55,6% são ocupados por pasto, isto é, 123.098,91 hectares — uma área equivalente à cidade do Rio de Janeiro. Outros 34,6% da zona de uso agropecuário incidente em TIs é coberta por soja, somando 76.498,55 hectares.

Encontram-se nesses setores alguns dos principais casos mapeados, como a sobreposição da trading estadunidense Bunge sobre a TI Morro Alto, em Santa Catarina, ou de sócios dos grupos Amaggi e Bom Futuro nas TIs Tirecatinga e Enawenê-Nawê, em Mato Grosso.

Entre os pecuaristas estão fornecedores da gigante JBS, com incidência em duas terras indígenas na região Centro-Oeste; além de nomes “estrelados” do mercado financeiro. É o que afirma o diretor do observatório, Alceu Luís Castilho.

“É o capital nacional e internacional, legal ou ilegal, que assina a violência. O planeta que olha para o Brasil a cobrar a preservação da Amazônia é o mesmo planeta que precisa conhecer melhor quem financia as destruições”, diz.

Fazendas avançam mais sobre terras em demarcação

Sobreposições em Mato Grosso. Crédito: De Olho nos Ruralistas

Das 1.692 sobreposições reveladas pelo relatório, 452 ocorrem sobre TIs homologadas e regularizadas. Isto é, constituem crime federal, com base no artigo 246 da Lei de Registros Públicos e no Estatuto do Índio.

Deste grupo, 112 fazendas ultrapassam 10 hectares de sobreposição; 29 estão acima de 100 hectares e onze acima de mil. Em Mato Grosso, a Propec Agropecuária, dona da Fazenda Conceição, alcança 174 hectares da TI Japuíra, em Juara (693 km de Cuiabá). A empresa faz parte do grupo Protege, um dos maiores conglomerados de segurança do Brasil.

Quem ganha com a soja produzida nas TIs de MT?

Embora grande parte dos conflitos e da violência se concentre na ponta local — garimpeiros, madeireiros e pistoleiros a mando de latifundiários —, é nos centros de poder do agronegócio, dito “moderno”, que se concentram os lucros desse modelo agroexportador.

Como também já mostrado pelo Gigante 163, alguns desses grandes produtores e empresas sujam a reputação do agronegócio em Mato Grosso e reforçam as denúncias que atrelam a destruição ambiental  e o conflito com povos originários ao setor.

Práticas do tipo têm dificultado o reconhecimento de agricultores e pecuaristas que produzem seguindo a lei e de acordo. Isso porque os dados acabam apontando para um cenário geral de negligência, o que tem impedido a captação de milhões de dólares em recursos estrangeiros pelo Estado.

Também são figuras como estas que endossam falas de ambientalistas contra o setor, que perde a oportunidade de mostrar ao mundo seriedade e responsabilidade. Assim, com a recusa dos grandes em dar bom exemplo, tem sobrado para a maioria, formada por pequenos e médios produtores, arcar com essa dura missão em Mato Grosso.

LEIA MAIS:

Ativo econômico: defesa de direitos indígenas é bom negócio para MT

Mineração em terras indígenas da Amazônia cresceu 1.217% em 35 anos

Indígenas pedem o arquivamento de projeto de hidrelétrica em MT

COP27: Enquanto guardiões da floresta, indígenas e quilombolas demandam compensação

Justiça Federal bloqueia R$ 667 mi de fazendeiros que arrendavam terras indígenas em MT

Gigantes da pecuária prejudicam agro de MT com lastro de crimes; veja principais famílias