HomeEconomia

Agro brasileiro mais perto de fechar bons negócios com a China

Agro brasileiro mais perto de fechar bons negócios com a ChinaExpectativa do setor gira em torno da volta da venda da carne. Foto: Abiec/Agência Brasil

Agro fatura US$ 79 bi em exportação no primeiro semestre e bate recorde
Agro terá R$ 6 bilhões em linhas de crédito do BNDES
Alta dos preços do agro impulsiona recorde de exportações em junho

O ministro Carlos Fávaro chega em Pequim nesta quarta-feira, 22/3, junto com uma comitiva do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) onde vai participar de reuniões bilaterais com autoridades chinesas, seminários e encontros com representantes do setor produtivo antes da chegada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 26/3. Fávaro reforça que a presença da comitiva empresarial formada por pequenos, médios e grandes produtores é um indicativo da aproximação do setor ao governo do presidente Lula.

“A diversidade e o tamanho desse grupo de empresários do agro na viagem à China demonstra o prestígio do presidente Lula e marca a aproximação do governo, já nos primeiros meses de mandato, desse setor tão importante para a economia brasileira”, pontua.

Venda da carne

O Valor Econômico informou que com a chegada do ministro e da comitiva existe a expectativa de que as autoridades chinesas anunciem ainda nesta semana o levantamento do embargo para as exportações de carne bovina do Brasil. A suspensão completa um mês na quinta-feira, 23/3. Ela foi adotada para atender ao protocolo sanitário firmado entre os dois países que obriga a interrupção dos embarques por conta do caso atípico do mal da vaca louca e não prevê prazo para encerrar a barreira.

Ainda de acordo com o jornal, o Brasil tem 83 estabelecimentos aptos a receber o aval. Integrantes da comitiva acreditam em uma habilitação em massa das plantas. Atualmente, cerca de 100 empresas do país exportam carnes para a China. Em 2022, foram exportadas 2,2 milhões de toneladas, em negócios de US$ 10,4 bilhões, segundo o Agrostat do Ministério da Agricultura.

Agronegócio na China

Na quinta-feira, 23/3, está prevista a participação do ministro Fávaro na abertura do Cotton Industry Development Conference. Também estão agendadas reuniões com empresas e associações de fabricantes de fertilizantes e insumos agrícolas, além de evento para discutir a cooperação entre Brasil e China em agricultura sustentável e finanças verdes.

Na sexta-feira, 24/3, o ministro participa do “Seminário multisetorial: Perspectivas da Parceria Brasil-China no Agronegócio”, com a presença de entidades brasileiras como CNA, OCB e Abiove e organizações chinesas como a China Association for the Promotion of International Agricultural Cooperation e o Agricultural Bank of China. Também na sexta está previsto um seminário do setor de proteína animal, que irá reunir autoridades e empresários do setor do Brasil e da China, com a participação do Embaixador do Brasil na China, Marcos Galvão, e do vice-presidente da Câmara Chinesa de Comércio para Importação e Exportação de alimentos, produtos naturais e subprodutos animais (CFNA China), Yu Lu.

Já na próxima segunda-feira, 27/3, a equipe do Mapa participa de encontro multissetorial com a All China Federation of Supply and Marketing Cooperatives. Também haverá o Fórum China-Brasil de Desenvolvimento Sustentável, promovido pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais.

A partir de terça-feira, 28/3, Carlos Fávaro passa a integrar a comitiva presidencial que cumpre agenda oficial com as autoridades chinesas.

Parceiro de peso

A China é o principal destino das exportações do agronegócio brasileiro e teve participação, em valor, de 31,9% nas exportações do agronegócio brasileiro em 2022, num total de US$ 50,79 bilhões. Entre os dez produtos mais exportados pelo agronegócio brasileiro, a China foi o principal destino de seis: soja em grãos, carne bovina in natura, carne de frango in natura, celulose, açúcar de cana em bruto e algodão.

Fonte: Com Mapa