HomeEconomia

Medida Provisória de socorro a agronegócio pode liberar R$ 1,2 bilhão

Medida Provisória de socorro a agronegócio pode liberar R$ 1,2 bilhãoSeca e enchentes prejudicaram agronegócio em alguns Estados. Foto: Agência Brasil

Tensão entre Rússia e Ucrânia pode afetar importação e exportação brasileiras
Caso Galvan escala racha do agro em torno de Bolsonaro
Gigantismo do agro salva setor automotivo

Na quinta-feira, 10/3, a ministra de Agricultura Tereza Cristina informou que, na próxima semana, será publicada uma Medida Provisória (MP) para socorrer o agronegócio brasileiro. Conforme reportado pela CNN, o valor a ser concedido será de R$ 1,2 bilhão em crédito extraordinário “para fortalecer o agronegócio em áreas afetadas tanto por enchentes quanto por estiagem” ocorridas em alguns Estados há alguns meses. O Canal Rural diz  que os recursos servirão para rebate de parcelas do Pronaf (sem cobertura do Proagro ou seguro agrícola) dos produtores afetados.

Enquanto Guedes pretende formalizar a liberação do crédito por meio de uma MP, políticos da bancada agro preferem seguir o caminho de aprovar o Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) 1/2022, que se encontra em tramitação no Senado Federal.  A IstoÉ Dinheiro diz que, caso o PL seja aprovado, o compromisso firmado com o ministro da economia pode chegar a R$ 4 bilhões ao longo do ano, a depender da necessidade. O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) explica que os recursos, nesse caso, seriam parcelados e remanejados de outras pastas. Para isso, o PL promete o destravamento de R$ 1,686 bilhão para linhas do Plano Safra e deve entrar na pauta do Congresso Nacional na próxima quinta-feira, 17/03.

Além disso, Guedes também estuda maneiras de reduzir o frete marítimo, para minimizar efeitos do conflito entre Rússia e Ucrânia. “O projeto teria como foco o setor de fertilizantes, em uma espécie de estímulo para busca de novos mercados”, aponta a matéria da IstoÉ.

“Começamos a normalizar o crédito rural, que é exatamente o que o produtor precisa neste momento”, diz Heinze em matéria do Canal Rural.