HomeEconomiaAgricultura

Rússia estenderá cotas de exportação de fertilizantes

Rússia estenderá cotas de exportação de fertilizantesCotas vão de julho próximo a junho de 2023. Claudio Neves/Portos do Paraná

Setor aquecido faz do Brasil segundo maior exportador de algodão
Exportação de carne de frango do Brasil bate recorde em 2021
Volume exportado de soja em junho cai 8,5% ante junho de 2021

A Rússia vai estender as cotas de exportação de fertilizantes para a safra de inverno e de primavera 2022/23, temporada que inicia em julho próximo e termina em junho do ano que vem. A restrição nas vendas externas do produto começou em 1º de dezembro de 2021 e terminaria em 31 de maio deste ano.

A extensão foi anunciada pela vice-primeira-ministra do país Victoria Abramchenko em rede social. “A chave para o sucesso da temporada de semeadura é o fornecimento de fertilizantes minerais aos agricultores no volume necessário e a preços acessíveis. Para isso, estenderemos os instrumentos de cotas existentes”, escreveu Victoria na sua conta do Telegram após uma reunião com o presidente do país, Vladimir Putin.

Até o momento, o governo russo não detalhou como ocorrerá a extensão das cotas. Anteriormente, as autoridades disseram que a medida era temporária, a fim de evitar escassez no mercado interno. O atual sistema de cotas do país limita os embarques para adubos nitrogenados em 5,9 milhões de toneladas e em 5,35 milhões de toneladas para formulações complexas contendo nitrogênio.

Na última semana, o governo russo ampliou a cota para nitrogenados em 231 mil toneladas e de fórmulas complexas em 466 mil toneladas.

A Rússia é um dos maiores produtores de fertilizantes. É o segundo maior exportador mundial de nitrogenados e terceiro maior exportador global de fosfatados e potássicos, contribuindo com 16% dos adubos exportados no mundo. A medida tende a agravar o aperto na oferta mundial de adubos, somando-se a limitações nas exportações por parte de Belarus. Para o Brasil, a Rússia é um dos principais fornecedores, contribuindo com cerca de 20% do volume importado anualmente.

Fonte: Estadão Conteúdo