HomeEconomia

Setor do biodiesel vê ‘golpe mortal’ em decisão do governo de manter mistura do diesel

Setor do biodiesel vê ‘golpe mortal’ em decisão do governo de manter mistura do diesel

Conheça quatro benefícios do cultivo de arroz de sequeiro
Alta do preço de fertilizantes e petróleo impactou agro, diz relatório
Maioria no Estado, negros ainda precisam de programas de inclusão social e geração de renda

O setor do biodiesel reagiu mal à decisão do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) de manter  a mistura mínima do combustível em 10% (B10) para todo o ano de 2022.

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (ABIOVE), a Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (APROBIO) e a União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (UBRABIO) emitiram nota conjunta em que alertam que o CNPE deu um golpe mortal na previsibilidade, despreza investimentos realizados e afasta aportes futuros no setor de biodiesel, com impacto direto na eliminação de empregos e de PIB verdes.

De acordo com as entidades, a medida também manteve o país distante do definido pela Política Nacional de Biocombustíveis (RenovaBio), cujo objetivo é promover a expansão dos biocombustíveis na matriz energética, reduzir a intensidade de carbono e assegurar previsibilidade para o mercado de combustíveis.

Para os fabricantes, a decisão valerá para o período em que será inaugurado um novo modelo de comercialização, que ainda não apresentou soluções para questões tributárias que podem aumentar os custos para o consumidor final.

“Ao adotar o teor de mistura de 10%, o governo penaliza o setor, gera desemprego em toda a cadeia de agronegócio, promove desinvestimento, aumenta a poluição, a inflação, prejudica a economia e afasta o país dos compromissos de descarbonização sinalizados durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021 (COP26), quando anunciou que o Brasil vai ampliar sua meta de redução de emissões de gases de efeito estufa (GEEs), de 43% para 50%, até 2030”, diz a nota.

Na nota, as associações destacam que, por meio de levantamentos realizados, o setor mostrou que o impacto do custo do biodiesel foi insignificante na formação de preço final do diesel vendido ao consumidor, entre 1 de janeiro a 1 de outubro deste ano. O crescimento se deveu basicamente ao aumento do preço do diesel fóssil.

“É importante considerar que já existe capacidade instalada para substituir até 18% do diesel, e o biodiesel tem uma das mais exigentes especificações do mundo”, afirma a nota das entidades.

Para o setor, a decisão do Governo Federal reflete uma posição de defesa do diesel fóssil importado e reverbera os interesses do setor petrolífero, de distribuição e do setor automotivo, que destoam das sinalizações de empresas e governos de muitos países durante a COP26 em favor da sustentabilidade.

“O Brasil joga por terra um patrimônio nacional e uma Política de Estado que é reverenciada em todo o mundo. A sociedade como um todo sai prejudicada”, diz a nota.

Fonte: Abiove