HomeEconomia

Transporte e armazenamento inadequados podem afetar qualidade da soja

Transporte e armazenamento inadequados podem afetar qualidade da sojaTransportar soja em caminhão pode afetar qualidade dos grãos. Foto: Appa

Exportações de soja em MT batem recorde no 1º semestre
Sojicultor brasileiro tem dois grandes desafios pela frente vindos da China
Nestlé compra gado criado ilegalmente em Terra Indígena do MT

Por André Garcia

Frente à possibilidade de que a China imponha mais exigências para a compra de soja do Brasil, seu maior exportador, produtores saem em defesa do grão nacional, cujo o teor médio de proteína nas últimas safras beirou os 37%,  enquanto o da soja norte-americana, sua principal concorrente, foi de 34,7%.

Para o setor, o pedido da Administração Estatal de Regulamentação do Mercado e a Administração de Padronização da República Popular da China protocolado na Organização Mundial do Comércio (OMC) diz respeito, sobretudo, ao grau de impurezas e aos grãos quebrados e fermentados, e não aos teores mencionados (no caso, mais óleo e proteína, e menos umidade).

“Há vários fatores que podem causar essa queda na qualidade. O armazenamento e o transporte são alguns deles. O País é muito extenso e a maior parte da soja é transportada de caminhão, o que contribui para isso”, explica o chefe da Embrapa Soja, Alexandre Nepomuceno.

A questão foi discutida em consulta pública feita pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), acerca da Portaria SDA nº 532/2022, referente ao Regulamento Técnico que define o padrão oficial de classificação da soja e de seus subprodutos, considerando requisitos de identidade e qualidade.

Dentre os pontos abordados estão a amostragem, o modo de apresentação e a marcação ou rotulagem. O objetivo é tornar a norma brasileira mais clara e objetiva em relação a outros países, condizente com a realidade de produção atual e, principalmente, sustentada em critérios científicos.

À reportagem do Gigante 163, a pasta informou que a discussão já se encerrou e agora a área técnica está tabulando as sugestões recebidas. A previsão é que ocorra um seminário para o debate do tema no início de setembro para, posteriormente, ser realizada audiência pública.

Conforme diz Nepomuceno, o teor de proteína do grão está diretamente ligado à sua eficiência, o que justifica a movimentação do mercado.

“Isso significa mais eficiência na produção, ou seja maior ganho de peso entre bovinos e suínos, por exemplo. Então a qualidade superior, agrega mais valor ao produto”, afirma.

Ele destaca que a tendência é que, quando se aumenta produtividade da variedade, a proteína é diminuída. Ou seja, quanto mais soja se produz por hectare, menor o teor de proteínas que estará presente no grão. Diante disso, a Embrapa Soja já deu início a estudos sobre o tema.

Nesta equação, além da questão genética e dos fatores ambientais é preciso destacar a disponibilidade de nitrogênio. Esse elemento, presente no ar, se acumula na planta por meio da ação de bactérias e é utilizado ao longo do ciclo da soja  no período de enchimento de grãos.

Entre as fontes de nitrogênio que a planta utiliza, a principal é o da fixação biológica, que é dependente de água. Portanto, as condições climáticas durante o cultivo da soja também interferem na concentração de proteína nos grãos.

Questionado sobre os efeitos da seca sobre a qualidade da soja, Alexandre reforçou que é importante considerar a média dos últimos anos e não apenas os registros mais recentes.

“É importante destacar que nossa soja é a mais sustentável. Não fazemos fixação por base fóssil, o que torna o processo quase 300% mais poluente pela emissão de CO2. A soja brasileira também conta com manejo integrado de pragas, o que reduz aplicações de agroquímicos”, defende Alexandre.

LEIA MAIS:

Sojicultor brasileiro tem dois grandes desafios pela frente vindos da China