HomeMundo

Países precisam preparar sistemas alimentares para novos ‘choques’, diz FAO

Países precisam preparar sistemas alimentares para novos ‘choques’, diz FAO

Exportação do agro para a China vive momento de diversificação
Com guerra, preço do potássio triplica
China suspende embargo e retoma importação de carne brasileira desossada a partir desta quarta

Os países devem tornar seus sistemas agroalimentares mais resistentes a choques repentinos, como os da pandemia do coronavírus (covid-19), um dos principais impulsionadores do último aumento nas estimativas sobre a fome no mundo. Abalos imprevisíveis continuarão a minar os sistemas agroalimentares, de acordo com um novo relatório divulgado nesta terça-feira, 23/11, pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

A edição deste ano do relatório da FAO The State of Food and Agriculture (SOFA) intitula-se “Tornando os sistemas agroalimentares mais resistentes a choques e tensões”. O estudo fornece uma avaliação da capacidade dos sistemas agroalimentares nacionais de responder a abalos e fatores de estresse – como secas, enchentes e doenças diversas – ou de se recuperar rapidamente deles. Também são fornecidas orientações aos governos sobre como podem melhorar a resiliência.

Hoje, existem aproximadamente 3 bilhões de pessoas que não podem pagar uma dieta saudável. O relatório SOFA estima que mais 1 bilhão de pessoas se juntariam às fileiras dos que sofrem desse problema se uma crise reduzisse sua renda em um terço. Além disso, os custos dos alimentos podem aumentar para 845 milhões de pessoas se as rotas essenciais de transporte forem interrompidas. Os choques são definidos no relatório como “desvios de curto prazo das tendências de longo prazo que têm efeitos negativos substanciais em um sistema, bem-estar das pessoas, ativos, meios de subsistência, segurança e capacidade de resistir a distúrbios futuros”.

Mesmo antes do surgimento da covid-19, o mundo estava longe de cumprir seu compromisso de acabar com a fome e a desnutrição até 2030. E embora o abastecimento de alimentos e as cadeias de produção tenham sido historicamente vulneráveis ​​a eventos climáticos extremos, conflitos de forças armadas ou aumento dos preços dos alimentos, a frequência e a gravidade desses choques está aumentando.

A publicação do relatório não poderia ser mais oportuna.

“A pandemia destacou a resiliência e a fraqueza de nossos sistemas agroalimentares”, disse Qu Dongyu, diretor-geral da FAO.

Medidas concretas

Os sistemas agroalimentares globais – a complexa rede de atividades relacionadas com a produção de produtos agrícolas alimentares e não alimentares, bem como o seu armazenamento, processamento, transporte, distribuição e consumo – produzem 11 bilhões de toneladas de alimentos anualmente e empregam milhares de milhões de pessoas, direta ou indiretamente. A urgência de fortalecer sua capacidade de resistir a choques não deve ser exagerada.

O relatório também apresenta indicadores nacionais de resiliência dos sistemas agroalimentares em mais de 100 países e analisa fatores como redes de transporte, fluxos comerciais e a disponibilidade de dietas saudáveis ​​e variadas. Embora os países de baixa renda geralmente enfrentem desafios muito maiores, as conclusões do relatório mostram que os países de renda média também estão em risco.

No Brasil, por exemplo, 60% do valor de sua exportação vem de apenas um parceiro comercial, isso significa que o país terá menos opções se esse parceiro for afetado por um choque. Mesmo países de alta renda como Austrália e Canadá correm o risco de um choque, devido às longas distâncias que devem ser percorridas para distribuir alimentos. Com base nos dados empíricos do relatório, a FAO recomenda que os governos façam da resiliência dos sistemas agroalimentares uma parte estratégica de suas respostas aos desafios atuais e futuros.

A chave aqui é a diversificação – de fontes de insumos, produção, mercados e cadeias de suprimentos, bem como de atores – já que ela cria caminhos múltiplos para absorver choques. Apoiar a criação de pequenas e médias empresas agroalimentares, cooperativas, consórcios e grupos contribui para manter a diversidade nas cadeias de valor agroalimentares nacionais.

Outro fator fundamental é a conectividade. Redes agroalimentares bem conectadas superam as interrupções mais rapidamente, mudando as fontes de abastecimento e os canais de transporte, marketing, insumos e mão de obra.

Finalmente, melhorar a resiliência de famílias vulneráveis ​​é essencial para garantir um mundo sem fome. Isso pode ser alcançado por meio de um melhor acesso a ativos, fontes diversificadas de renda e programas de proteção social em caso de crise.

“O relatório SOFA captura os esforços da FAO para construir resiliência e estabelece novos indicadores para ajudar os membros a medir a resiliência de seus sistemas agroalimentares e identificar lacunas que precisam ser melhoradas”, disse Qu.

Fonte: FAO