HomeMundo

Por que a União Europeia mantém barreiras contra carne de frango do Brasil

Por que a União Europeia mantém barreiras contra carne de frango do BrasilFoto: Lucas Scherer/Embrapa

Alta de ração afeta todos os mercados de proteína animal, diz ABPA
ABPA lamenta declaração de ministro francês sobre carne de frango brasileira
Exportações do agro atingem valor recorde de US$ 8,84 bilhões para outubro

O jornal “Valor” traz nesta quinta-feira, 2/06, notícias da União Europeia (UE) sobre a manutenção do controle do bloco para a entrada de carne de frango do Brasil em seu mercado. Segundo a publicação, a UE não tem intenção de facilitar a vida dos exportadores brasileiros. O Brasil é, no entanto, fornecedor de 20% da carne de frango que o bloco compra. A resistência ocorre porque, segundo os europeus:

  • As medidas atuais (de controle reforçado sobre a carne) estão relacionadas aos casos de fraude envolvendo autoridades e aos resultados das sucessivas auditorias que identificaram repetidas deficiências que demonstram a falta de confiabilidade do sistema de certificação brasileiro.
  • O controle reforçado – 100% documental e 20% com inspeção física e laboratorial (no Brasil e na UE), algo único – foi adotado em 2017 após as operações “Carne Fraca” e “Trapaça” no Brasil e de resultados negativos de auditorias da Comissão Europeia nas áreas de carne e pescado.
  • Os veterinários irlandeses se sentiram traídos, pois não foram informados que existia a operação Trapaça, que envolveu a BRF e laboratórios da empresa e terceirizados.
  • As auditorias de 2017 demonstraram “que as deficiências identificadas por auditorias anteriores não haviam sido corrigidas, apesar das garantias que haviam sido dadas para esse fim”.
  • Para a UE, somente um resultado favorável de uma auditoria no Brasil permitirá à Comissão Europeia propor aos 27 Estados-Membros o levantamento do controle atual sobre carne de frango brasileira”.
  • A constatação, tanto no Brasil como na Europa, é que houve uma degradação do diálogo com a DG Saúde (Direção-Geral) da UE. A situação teria piorado desde novembro, quando o Brasil denunciou a UE na Organização Mundial do Comércio (OMC) por causa de “controles sanitários discriminatórios para a detecção de salmonela em carne de frango salgada e de peru com pimenta”.
  • A situação foi agravada quando o então ministro da Agricultura, Blairo Maggi, não retirou a BRF da lista de exportadores mesmo após o escândalo envolvendo a companhia. Isso obrigou a UE a publicar um regulamento específico tirando todas as unidades da empresa, e mais algumas, da lista de exportadores para o mercado europeu, o que não é usual.

Fonte: Valor Econômico