HomeAgricultura

Fávaro defende redução de taxas de juros para o agronegócio

Fávaro defende redução de taxas de juros para o agronegócioO ministro falou com os principais representantes do agro. Foto: Mapa

Artigo: Por que o sistema ILP veio para ficar
Lucro é a palavra-chave para agronegócio ainda mais sustentável
Saiba os benefícios da rastreabilidade para o produtor

Durante a abertura da 23ª edição da Expodireto Cotrijal, na segunda-feira, 6/3, em Não-Me-Toque (RS), o ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, defendeu a redução de taxas de juros para o agro. Segundo ele, o Mapa já está trabalhando com uma linha de crédito junto ao BNDES com taxas de juros reduzidas.

“Temos uma inflação controlada, temos índices de crescimento reduzidos e as contas públicas sob controle. Por isso é possível a redução das taxas de juros para que possamos criar um novo programa de investimento”, disse.

A Expodireto Cotrijal é considerada uma das maiores feiras do agronegócio internacional. O evento, focado em tecnologia e negócios, acontece até o dia 10 deste mês.

“A Expodireto é um evento de negócios. Aqui vem se buscar informações, desenvolvimento e vem se reivindicar soluções políticas não-partidárias, mas políticas para o agronegócio. A feira tem também um papel importante no trabalho de construção em defesa do produtor”, afirmou Nei César Mânica, presidente da Expodireto Cotrijal.

No ano passado, a feira movimentou R$ 4,9 bilhões em operações de venda de máquinas, equipamentos, tecnologias e serviços. São mais de 580 expositores no Parque, que foi ampliado para 131 hectares.

Durante o evento, outro ponto destacado pelo ministro é acabar com o preconceito entre os próprios produtores rurais.

“Nós precisamos acabar com o preconceito de que pequenos produtores não podem ter o sonho de um pequeno pedaço de terra. Conheci um assentamento de reforma agrária com 15 cooperativas de agroindústrias e eles estavam muito focados em produzir e verticalizar a sua produção e se agregar ao cooperativismo”, completou.

Fávaro também afirmou que o governo não apoia a invasão de terras produtivas.

“Nós repudiamos a invasão de terras privadas produtivas. Não é assim que se constrói uma nação soberana que cumpre as leis e respeita o direito individual”, ressaltou o ministro.

No Rio Grande do Sul, Carlos Fávaro também visitou a fábrica da BSBIOS, em Passo Fundo. A empresa produz, por meio de oleaginosas e gorduras animais, um biocombustível renovável e menos poluente, o biodiesel. Na cadeia do agronegócio, ainda industrializa farelo de soja e subprodutos.

Fonte: Mapa