HomeEcologiaProdutividade

Boas práticas no agro são aliadas no enfrentamento da crise do clima

Boas práticas no agro são aliadas no enfrentamento da crise do climaExtremos pedem ação coletiva dos produtores, do setor e poder público. Foto: Tânia Rego/ Agência Brasil

Mais R$ 2 bilhões para linha em dólar voltada a investimentos
Ministros discutem incentivos à produção de baixo carbono
Viagem de Lula à China trará bons resultados para o agro, diz Fávaro

De acordo com o ministro Carlos Fávaro, o clima é o principal ativo dos produtores agrícolas. Diante da crise que contrapõe enchentes e secas prolongados, é importante preservar os recursos naturais e, segundo ele, “evitar o pior”. O titular da pasta de Agricultura e Pecuária falou sobre esse e outros assuntos com a coluna Vaivém das Commotities, da Folha de S. Paulo.

“Já tivemos outras ocorrências, como a enchente de 1941 no Rio Grande do Sul, mas a periodicidade desses acontecimentos acaba com negacionismo. Se nada for feito, serão fatos repetitivos? Não temos mais como negar. Precisamos agir rapidamente para estancar essas mudanças. Não tenho capacidade científica para dizer isso, mas não sei se é possível voltar atrás depois do que já fizemos. Precisamos agir para não complicar ainda mais a situação”, disse.

Como senador licenciado, o ministro afirmou que é fundamental que o poder legislativo também contribua com leis que mitiguem impactos ambientais que afetam fortemente o agro. Ele acrescentou que quer olhar à frente de seu tempo e assumir responsabilidades com consciência de que esse ativo é do Brasil.

Para Fávaro, o trabalho deve ser feito juntamente com o produtor. Não adianta somente equipamentos de ponta, ciência e sementes de última geração diante dos extremos do clima. Ele ressaltou que é papel do governo premiar quem faz o certo em tempos de mudanças. Sobre a responsabilidade humana, ele frisou que temos que evitar o pior.

“O Brasil tem esse potencial por meio dos combustíveis renováveis, aplicação do Código Florestal e adoção de boas práticas de produção”, concluiu.