HomeProdutividade

Fim da vacina contra aftosa pode ser adiado

Fim da vacina contra aftosa pode ser adiado

Veja ações de restauração de solo em países da América Latina
Avanço do desmatamento reduz biodiversidade no Cerrado e na Amazônia, diz estudo
Conheça quatro benefícios do cultivo de arroz de sequeiro

O Ministério da Agricultura afirmou na quinta-feira, 30/9, que o fim da vacinação contra a febre aftosa em Mato Grosso, Distrito Federal e mais oito Estados pode ser prorrogado para o fim de 2023. Ele estava previsto para o próximo ano. A informação foi dada pelo diretor do departamento de sanidade animal da pasta, Geraldo Marcos de Moraes, durante quarto Fórum Estadual de Vigilância Sanitária Contra a Febre Aftosa, em Mato Grosso.

O anúncio cai como uma bomba nas ambições do Mato Grosso, que tem cumprido as medidas necessárias e investido forte para garantir a retirada da vacina contra aftosa em novembro de 2022, como previsto no plano do Ministério da Agricultura.

Em maio deste ano, municípios do nosso Estado, como Rondolândia e partes de Aripuanã, Colniza, Comodoro e Juína foram reconhecidas pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como zona livre de febre aftosa sem vacinação, como destacou a “Tribuna Mato Grosso”. A meta do programa é que todo o Estado seja considerado livre de febre aftosa sem vacinação.

O problema é que o plano de retirada da vacina do Ministério da Agricultura foi montado por blocos de Estados, como explica o site “O Livre”. E há, segundo o representante do Ministério da Agricultura, um descompasso entre eles, no que se refere à implantação das medidas exigidas.

“Nós previmos a evolução conjunta dos blocos, mas na realidade os Estados estão em níveis diferentes de implementação das ações necessárias do plano de retirada da vacina. Mato Grosso vem investindo na questão e tem boas perspectivas de evolução, mas infelizmente em outros Estados existe a necessidade de um tempo maior para fazer esses investimentos”, disse Moraes ao “Canal Rural”.

A retirada da vacina pode representar, como destacou “O Livre”, a abertura dos portos de países que hoje não importam carnes de regiões onde há vacinação de animais, mesmo que não registrem casos da febre aftosa.

Fontes: Canal Rural, O Livre e Tribuna Mato Grosso