HomeTecnologia

Brasileiros desenvolvem robô que analisa solo de forma sustentável

Brasileiros desenvolvem robô que analisa solo de forma sustentável

Aumento de fretamento marítimo e escassez de contêineres podem afetar safra 2021/2022
Saiba quem é a ‘maçã podre’ do agro que tenta extinguir o Parque Estadual Cristalino II
Com apenas 0,43% de CAR validado, Brasil oficializa grilagem de terras públicas

Por Vinicius Marques

Você sabia que existe um robô capaz de gerar análise de solo em  minutos, de maneira sustentável e eficiente? Sem resíduos químicos, o AGLIBS (agro espectroscopia induzida por laser, em tradução livre) pode examinar 1.500 amostras por dia, fornecendo dados como qualidade do solo, déficit de nutrientes, pH, acidez e quantidade de carbono orgânico no solo. E o melhor, a tecnologia é pioneira no País e foi desenvolvida por cientistas brasileiros.

O equipamento utiiza o sistema LIBS, o mesmo usado em robô da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa) para analisar solo de Marte, e é resultado da parceria entre Embrapa Instrumentação e a agritech Agrorobótica, uma startup do agronegócio sediada em São Carlos (SP).

Com a praticidade do AGLIBS, o produtor ganha tempo para usar a agricultura de precisão. Com diferentes amostras de sua propriedade, ele consegue mapear os nutrientes em falta de cada área e comprar apenas a quantidade necessária de insumos.

Além disso, o equipamento permite ainda a otimização do sequestro de carbono. A amostra aponta quanto de carbono está estocado na terra, contribuindo para a sustentabilidade da produção e fertilidade do solo.

Segundo o CEO da Agrorobótica, Fábio Angelis, a empresa possui dois focos: certificação de fertilidade e nutriente dos solos e certificação de carbono.

Hoje, para você ter uma ideia, em um metro de solo tem três vezes mais carbono do que em toda a atmosfera ou vegetação do planeta terra”, diz Angelis. “Então o solo é o maior sumidouro de carbono do mundo e as práticas conservacionistas dos agricultores podem deixá-lo estocado.”

Além de apresentar os corretivos de fertilizantes, a equipe de especialistas também oferece ao cliente orientações para o manejo sustentável, indicando como aumentar o nível de sequestro de carbono no solo e obter uma receita inovadora de créditos.

Após muito tempo dedicado à pesquisa e desenvolvimento, a startup, com quase seis anos, possui o primeiro centro fotônico do mundo voltado exclusivamente para a agricultura, localizado no município de São Carlos.

O serviço já está disponível para produtores rurais de todo o Brasil. Basta acessar o portal online da Agrorobótica e entrar em contato, solicitando o orçamento. O valor é calculado em reais por hectares e varia de acordo com os serviços contratados pelo agricultor e o projeto a ser dimensionado.

Como funciona o AGLIBS

 O fundador e CEO da empresa, Fábio Luiz Angelis, descreveu as etapas do serviço ao portal de notícias G1:

1. O solo é coletado pelas equipes e a amostra é georreferenciada no campo usando o aplicativo que demonstra latitude e longitude da área.

2. A amostra segue para o laboratório, em São Carlos, onde é transformada em pastilha, ficando parecida com os pigmentos da maquiagem quando ainda na embalagem.

3. Já dentro do equipamento, a pastilha é atingida por um laser de 10 mil kelvins, temperatura próxima a do Sol.

4. Após se transformar em um plasma (uma nuvem invisível ao olho nu), os cientistas separam os elementos que são nutrientes para as plantas e identificam a quantidade deles.

5. Essa informação gera os mapas de recomendação agronômica, que vão para o agricultor no aplicativo de celular.