HomeEcologia

CRA “verde” em dólar apoia soja sustentável no Cerrado brasileiro

CRA “verde” em dólar apoia soja sustentável no Cerrado brasileiroRecursos financiarão, a juros de um dígito, plantio de soja sustentável no MT. Foto: CNA

Brasil perdeu um terço da sua vegetação nativa nos últimos 37 anos
Desmatamento e mudança climática colocam em risco nova fronteira agrícola brasileira
COP27: Metaverso põe espectador diante das maravilhas naturais de MT

Os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) com exigências “verdes” já são uma realidade. Na segunda-feira, 1/8, foi concluída a primeira emissão desse tipo de título em dólar registrado na Bolsa de Viena, no âmbito do Responsible Commodity Facility (RCF), programa de financiamento de commodities responsáveis. As informações são do Valor.

Emitido pela Sustainable Investment Management (SIM), o CRA tem aporte de US$ 11 milhões (R$ 55 milhões) de três varejistas britânicas (Tesco, Sainsbury’s e Waitrose) e será destinado a sojicultores do Centro-Oeste e do Matopiba. Apesar de não serem compradores diretos da soja brasileira, as empresas assumiram compromissos ambientais contra o desmatamento e viram na operação uma oportunidade de promover a proteção do Cerrado por meio desse financiamento, mesmo com a remuneração abaixo da média.

O que são CRAs “verdes”?

São linhas de crédito com juros baixos destinadas aos produtores que cumpram requisitos ambientais e se comprometam com o desmatamento zero.

A quem se destina?

Os recursos ajudarão a financiar, a juros de um dígito, o plantio de soja de dez grupos de agricultores do Centro-Oeste e do Matopiba que seguirem critérios socioambientais, durante as próximas quatro safras.

Ao todo, serão financiadas 36 áreas em Goiás, Mato Grosso e no Matopiba. Juntas, as fazendas têm excedentes de 4,2 mil hectares de reserva legal – ou seja, preservam acima do exigido por lei. A extensão total de vegetação nativa intacta nesses imóveis é de 11 mil hectares. A capacidade produtiva das lavouras que receberão os financiamentos é de 75 mil toneladas de soja por ano.

Como será o processo?

Os produtores selecionados passaram por uma minuciosa análise de risco de crédito feita pela Traive. Eles serão submetidos a um monitoramento rigoroso durante o período da operação, com compromisso de desmatamento zero, principal critério de elegibilidade. A Planeta Securitizadora, empresa que pertence à Opea, foi a responsável pela coordenação da emissão.

Quais os benefícios para os produtores?

Juros abaixo das alíquotas praticadas no mercado e no financiamento oficial do Plano Safra, de até 12,5% ao ano.

“Há uma enorme demanda por financiamentos de baixo custo. Ao direcionar esse fluxo de financiamento verde para a produção de soja, podemos compensar aqueles que se comprometem com a conservação de vegetação nativa”, disse Maurício Moura Costa, COO da SIM, ao Valor.