HomeEcologia

Designer de Sinop integra equipe que reimplanta casco de jabota em 3D

Designer de Sinop integra equipe que reimplanta casco de jabota em 3D

Tempestades de poeira podem se tornar frequentes por causa do desmatamento
Projeto utiliza regeneração de baixo custo para gerar créditos de carbono
Desmatamento da Amazônia cresce 54% e MT lidera derrubada

O designer Cícero Moraes, morador de Sinop (MT), é um dos integrantes da equipe brasileira que reconstruiu e implantou um casco em três dimensões em uma jabota (fêmea de jabuti), que teve o casco destruído num incêndio. O feito foi parar no Guinness World Records de 2022.

Além de Cícero, a equipe foi formada por médicos veterinários e cirurgiões dentistas, todos voluntários.

Moraes afirmou que foi um projeto de reconstrução com muitos desafios técnicos a superar antes do final feliz. Para a reconstrução do casco foi empregada a técnica conhecida como fotogrametria, também bastante utilizada por arqueólogos e adaptada para reconstruir crânios, cenas de crimes e até para construções arquitetônicas.

Batizada de Freddie, a jabota perdeu 85% do casco numa queimada em Cerrado, região em Brasília, e posteriormente ficou sem os 15% restantes. Encontrada por um casal na beira da estrada, Freddie foi levada até dois irmãos veterinários, Rodrigo e Mateus Rabelo, que trabalham com animais silvestres. Ao chegar, seu corpo já estava sendo devorado por larvas de moscas. No processo de recuperação, ela sofreu duas crises de pneumonia e ainda ficou 45 dias sem comer.

Para construir a prótese, Moraes recebeu diversas fotografias para fazer a chamada volumetria da jabota. Em seguida recorreu a um amigo que tem um jabuti saudável, de estimação: valeu-se dele como parâmetro. Foi fotografada detalhadamente toda a estrutura do animal (superior, inferior) e a volumetria foi inteiramente remodelada a partir dessas fotos.

‘Não podíamos errar’

Segundo Moraes, dois dos momentos mais difíceis e complexos em todo esse processo foram a medição da prótese, em quatro partes, e, em seguida, a impressão em 3D. “Na medição, a gente nunca tinha feito isso e não podíamos errar”, recorda o designer. Com relação à impressão, “não necessariamente pela forma do modelo, apenas, mas o tempo gasto em cada uma das impressões”.

As peças maiores levaram 50 horas para serem impressas cada uma. As menores um pouco menos, entre 28 e 35 horas. As impressões foram feitas pelos cirurgiões dentistas Paulo Miamoto e Paulo Esteves, que limparam e prepararam as peças para que fosse feita a cirurgia posteriormente. Não foi necessário parafusar, como o grupo chegou a pensar que seria preciso. A equipe de cirurgia foi coordenada pelo veterinário Roberto Fecchio.

De volta

Moraes explicou, na conversa, que a prova concreta de que “tudo tinha dado certo” foi quando a jabota voltou da anestesia. “O primeiro movimento foi de se esconder no casco”. Ao final, para fechar com chave de ouro toda a aventura, ele menciona a etapa artística de toda a operação: “Tivemos a ajuda de um engenheiro, Yuri Caldeira, que também é artista plástico e mora em Brasília”. Sabendo da tarefa dos amigos, ele se propôs a pintar o casco da Freddie. Retirado da jabota, ele foi levado até a casa dele – e Caldeira se dedicou, nos detalhes, a criar uma pintura realística à base de tinta acrílica, que tem a vantagem de secar mais rápido.

O projeto, desde a fase da digitalização até a colocação no corpo da jabota, foi executado em um mês. A equipe de especialistas formada por voluntários é conhecida pelo nome de “Animal Avengers”. Integram esse grupo Roberto Fecchio, Rodrigo e Matheus Rabelo e o cirurgião-dentista Paulo Miamotto.

Bem-sucedida a missão, Freddie vive agora em uma chácara configurada para receber animais silvestres, em Brasília. Atualmente, o designer Cícero Moraes já se dedica a uma nova missão. Ele participa da reconstrução da prótese facial de um cão queimado no mato.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.