HomeEcologia

Desmate no Cerrado é maior que na Amazônia, pela primeira vez

Desmate no Cerrado é maior que na Amazônia, pela primeira vezCerrado perdeu 3.042 hectares de vegetação por dia em 2023. Foto: Thomas Bauer/Instituto Sociedade População e Natureza

Soja avança na Amazônia, mas Cerrado ainda lidera área plantada no País
Amazônia já perdeu área equivalente ao território da França
Brasil perdeu um terço da sua vegetação nativa nos últimos 37 anos

Por André Garcia 

Pela primeira vez, a área desmatada no Cerrado ultrapassou a da Amazônia, chegando a 1.110.326 hectares em 2023, um crescimento de 68% em relação a 2022. Os dados, divulgados pelo MapBiomas nesta terça-feira, 28/5, apontam para um deslocamento do desmate, que na Floresta Amazônica caiu 62,2%, ficando em 454,3 mil hectares.

De acordo com o Relatório Anual do Desmatamento no Brasil (RAD), que considera a série histórica do MapBiomas Alerta iniciada há cinco anos, enquanto a Amazônia concentra 25% de todo o desmatamento no Brasil, o Cerrado responde por 61% do total. Para se ter ideia, o bioma perdeu 3.042 hectares de vegetação nativa por dia no ano passado.

“O Cerrado, que já perdeu mais da metade de sua vegetação nativa, passou a ser o protagonista do desmatamento no País, o que torna essa condição ainda mais preocupante”, ressalta a coordenadora do MapBiomas Cerrado e Diretora de Ciência do IPAM, Ane Alencar.

Essa mudança se refletiu também no tipo de vegetação suprimida. Em 2023, pela primeira vez, houve o predomínio de desmatamento em formações savânicas (54,8%) seguido de formações florestais (38,5%) que predominaram nos quatro primeiros anos do levantamento.

“Os dados apontam a primeira queda do desmatamento no Brasil desde 2019. Por outro lado, a cara do desmatamento está mudando no Brasil, se concentrando nos biomas onde predominam formações savânicas e campestres e reduzindo nas formações florestais”, destaca o coordenador do MapBiomas, Tasso Azevedo.

Alerta no Matopiba

Juntos, quatro estados do Cerrado – Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, que formam a região conhecida como Matopiba – responderam por quase metade (47%) do desmatamento no País no ano passado. Foram 858.952 hectares, alta de de 59% em relação a 2022. Número ultrapassa a área desmatada nna Amazônia.

Segundo o RAD, três em cada quatro hectares desmatados no Cerrado em 2023 (74%) foram no Matopiba, que abriga 10 municípios com maior área desmatada no bioma.

Redução na Amazônia

A situação na Amazônia representa um ponto de inflexão no desmate, que teve queda de 11,6% no Brasil: no último ano, 1.829.597 hectares de vegetação nativa foram suprimidos, enquanto em 2022, o total foi de 2.069.695 hectares. Essa redução se deu mesmo com um aumento de 8,7% no número de alertas, na comparação com 2022.

No bioma, houve redução em todos os estados, exceto no Amapá, onde constatou-se crescimento de 27% no desmate. Na região de Amacro, que reúne os estados do Amazonas, Acre e Rondônia – e que já foi considerada a nova frente de desmatamento do Brasil – houve queda de 74% na área desmatada, que ficou em 102.956 hectares.

Dos 559 municípios do bioma Amazônia, 436 tiveram algum desmatamento detectado em 2023, ou 78% do total. Em todos os 10 municípios que mais desmataram na Amazônia houve queda.

LEIA MAIS:

Desmate cresce em “encrave” do Cerrado com a Mata Altântica

Sem manejo adequado, Cerrado se descaracteriza e fica menos resiliente

Protocolo define regras ambientais para a pecuária no Cerrado

Governos criam força-tarefa contra desmatamento no Cerrado

Cinco bacias hidrográficas concentraram 81% do desmatamento no Cerrado

Sincronia entre Cerrado, Amazônia e Pantanal está sob ameaça da seca

‘Caixa d´água’ do Brasil, Cerrado está mais quente e seco

Desmatamento no Cerrado pode chegar a 12 mil km² neste ano

Autodeclatório, CAR abre brecha para crime ambiental