HomeEcologia

Governo estuda criação de mercado de carbono envolvendo setor elétrico

Governo estuda criação de mercado de carbono envolvendo setor elétrico

TCU aprova privatização do Parque Nacional de Chapada dos Guimarães
Agricultura coloca em consulta pública regulamento técnico para carne moída
Consulta pública recebe sugestão sobre sistema de inspeção em frigoríficos

Foi publicada, na sexta-feira, 21/1, pelo Ministério de Minas e Energia – MME, a Consulta Pública nº 118 de 21/01/2022, que apresenta a Proposta de Diretrizes para a Consideração de Benefícios Ambientais no Setor Elétrico – Lei nº 14.120/2021. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) foi a responsável pela elaboração do documento sob a coordenação técnica de Giovani Vitória Machado, da Diretoria de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais.

De acordo com a Reuters, o MME criou uma série de diretrizes que visa um mercado de carbono envolvendo o setor elétrico brasileiro, com potencial para se tornar um importante ofertante de créditos devido à predominância de fontes de geração renováveis e de baixa emissão de gases de efeito estufa.

Foram 12 meses de muito trabalho, reuniões técnicas e workshops abertos ao público para ouvir e trocar ideias com especialistas, representantes do setor de energia e outros setores os efeitos da Lei 14.120, informa a EPE. Segundo a empresa, a criação de um mercado de carbono, tema principal das diretrizes, está alinhada com o Artigo 6 do Acordo de Paris, que trata dos instrumentos econômicos para mitigação das emissões de gases de efeito estufa. O consenso na consolidação das regras do Artigo 6, para criação de um mercado de CO2 mundial, em Glasgow, foi considerado umas das maiores conquistas da COP 26 e abre boas perspectivas para o Brasil, que tem grande potencial de emissão de créditos de carbono.

Ao se considerar esse potencial papel de ‘vendedor’ ou ‘ofertante’ de créditos de carbono em um mercado mais amplo, o setor elétrico brasileiro como um todo se beneficiaria de mecanismos de mercado de carbono intersetoriais ou abrangentes e, principalmente, mecanismos internacionais”, afirma o documento.

A participação na Consulta Pública nº 118 é de fundamental importância para a construção de uma proposta de diretrizes aderente aos anseios da sociedade.

Para mais informações e envio de contribuições até 7 de fevereiro de 2022, acesse Consulta Pública no 118.