HomeEcologia

La Niña deve chegar entre junho e agosto, diz agência dos EUA

La Niña deve chegar entre junho e agosto, diz agência  dos EUAMudanças constantes do clima são acentuadas pelos fenômenos. Foto: PxHere

Calorão vai continuar na primeira semana de maio no Centro-Oeste
PIB da agropecuária cai 0,9% no 3º trimestre em relação ao anterior
Mapa registra defensivos de baixo impacto e fungicida inédito

De acordo com o boletim semanal da Noaa (agência de tempo e clima do governo dos Estados Unidos), as anomalias atmosféricas no Pacífico equatorial estão enfraquecendo desde o início do ano, o que aponta de forma mais rápida uma transição do fenômeno El Niño para o La Niña. As informações são da Folha de S. Paulo.

O El Niño aparece com uma periodicidade de entre dois e sete anos, e possui duração de nove a 12 meses. Trata-se de um fenômeno meteorológico natural, que corresponde ao aquecimento acima da média histórica de grande parte do Pacífico equatorial. Já no La Niña acontece o contrário. Sua manifestação é por um esfriamento anormal nas águas superficiais do oceano.

Ambos são parte são partes de um mesmo fenômeno, denominado Enos (El Niño Oscilação Sul; ou Enso, na sigla em inglês). A mudança na temperatura do oceano Pacífico acarreta efeitos ao redor do mundo na temperatura e precipitação. Se pensamos nos impactos no Brasil, a La Niña tende a causar aumento no volume de chuvas nas regiões Norte e Nordeste. Já no Sul, a tendência é de mais seca e calor, enquanto, no Centro-Oeste e no Sudeste, os impactos variam.

A transição

Segundo o boletim, a transição do El Niño para o chamado neutro Enos (nem La Niña, nem El Niño) será entre abril e junho, com 83% de chance. O La Niña tem chances crescentes de 62% de se desenvolver entre junho e agosto.

Para o trimestre de maio a julho, as probabilidades são de 3% de El Niño, 65% de neutralidade e 32% de La Niña.

No trimestre de inverno no Hemisfério Sul (junho a agosto), 1% de probabilidade de El Niño, 37% de neutralidade e 63% de La Niña. No trimestre de julho a setembro, 1% de El Niño, 24% de neutralidade e 75% de La Niña.

Já no trimestre de agosto a outubro, 1% de El Niño, 17% de neutralidade e 82% de La Niña. No trimestre de primavera (entre setembro e novembro), 1% de El Niño, 14% de neutro e 85% de La Niña.