HomeEcologia

MT é o Estado que mais fiscaliza alertas de desmatamento, diz MapBiomas

MT é o Estado que mais fiscaliza alertas de desmatamento, diz MapBiomasÁrea de floresta derrubada no noroeste do Mato Grosso. Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

Governo lança ‘Mapa do CAR’ para facilitar pedidos de cadastro pelos produtores
Extremos climáticos estão mais frequentes em Mato Grosso, diz Climatempo
Amendoim, ótima alternativa para diversificar sistema de produção

Rodrigo Malafaia

Lançado virtualmente na terça feira, 3/5, o Monitor de Fiscalização do Desmatamento aponta que o governo do  Mato Grosso é o Estado que mais monitora a supressão de sua vegetação nativa e é um dos mais ativos em reagir a ações ilegais, mas, ainda assim, deixou de fiscalizar 9.281 alertas de desmatamento.

A nova ferramenta digital,  desenvolvida pelo MapBiomas, em parceria com o Instituto Centro de Vida (ICV) e o Brasil.io. , trabalha com informações de cinco Estados (MT, PA, GO, MG e SP) e do governo federal com recorte entre os anos de 2019 e 2022.

Em todo o Brasil, neste período, mais de 97% dos alertas de desmatamento emitidos pelo MapBiomas não foram averiguados pelo governo federal. 

O Monitor faz cruzamento de dados entre os alertas de desmatamento do MapBiomas e informações fornecidos pelos governos, como autorizações de desmatamento, autuações de fiscalização e embargo emitidos pelos órgãos federais e estaduais de controle. O objetivo da análise é monitorar o quanto do desmatamento verificado e publicado pelo MapBiomas Alerta foi autorizado ou teve ações de fiscalização pelo poder público.

Único Estado representado no lançamento da plataforma, por meio de Alex Marega, secretário-adjunto da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema-MT), o governo do Mato Grosso foi mencionado pelo coordenador do MapBiomas, Tasso Azevedo. Ele afirmou que se a plataforma tivesse sido lançada no final do ano, “o percentual de alertas com ação do governo [no MT] teria sido muito maior do que sem atuação.”

Segundo a entidade, o governo do Mato Grosso averiguou 29,5% de um total de 13 mil alertas de desmatamento (cerca de 95% destes ilegais) e tomou alguma forma de ação em 40,5% dos casos. 

Marega  afirmou que o governo está investindo em tecnologias de fiscalização própria e tem a intenção de ter sua própria plataforma de monitoramento em breve. Segundo ele, a Sema-MT tem a meta de  “atender a 100% dos índices de alerta de desmatamento ilegal” ou um número próximo disso até o final de 2022. 

Por ora, no entanto,  Mato Grosso lidera o ranking de maior desmatador pelo terceiro mês consecutivo, registrado em março pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Naquele mês, 46% de todo o desmatamento registrado no bioma ocorreu no Estado, o que equivale a 57 km² do total. Além disso, metade dos 10 municípios que mais desmataram ficam em solo mato-grossense: Nova Ubiratã, Juara, Feliz Natal, Porto dos Gaúchos e Juína. Juntos, eles somaram 35 km² de floresta derrubada.

LEIA MAIS

MT segue líder de desmatamento na Amazônia, diz Imazon

Desmatamento na Amazônia bate recorde no primeiro trimestre de 22

Consumidor quer carne sem desmatamento, diz pesquisa

1% de imóveis coloca Mato Grosso como 5º maior em desmatamento do Cerrado