HomeEcologia

MT é o Estado que mais fiscaliza alertas de desmatamento, diz MapBiomas

MT é o Estado que mais fiscaliza alertas de desmatamento, diz MapBiomasÁrea de floresta derrubada no noroeste do Mato Grosso. Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

MT tem sete Terras Indígenas com alto índice de desmatamento
MT é o terceiro no ranking de destruição da Amazônia
Operação contra desmatamento flagra atividade agrícola em área embargada

Rodrigo Malafaia

Lançado virtualmente na terça feira, 3/5, o Monitor de Fiscalização do Desmatamento aponta que o governo do  Mato Grosso é o Estado que mais monitora a supressão de sua vegetação nativa e é um dos mais ativos em reagir a ações ilegais, mas, ainda assim, deixou de fiscalizar 9.281 alertas de desmatamento.

A nova ferramenta digital,  desenvolvida pelo MapBiomas, em parceria com o Instituto Centro de Vida (ICV) e o Brasil.io. , trabalha com informações de cinco Estados (MT, PA, GO, MG e SP) e do governo federal com recorte entre os anos de 2019 e 2022.

Em todo o Brasil, neste período, mais de 97% dos alertas de desmatamento emitidos pelo MapBiomas não foram averiguados pelo governo federal. 

O Monitor faz cruzamento de dados entre os alertas de desmatamento do MapBiomas e informações fornecidos pelos governos, como autorizações de desmatamento, autuações de fiscalização e embargo emitidos pelos órgãos federais e estaduais de controle. O objetivo da análise é monitorar o quanto do desmatamento verificado e publicado pelo MapBiomas Alerta foi autorizado ou teve ações de fiscalização pelo poder público.

Único Estado representado no lançamento da plataforma, por meio de Alex Marega, secretário-adjunto da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema-MT), o governo do Mato Grosso foi mencionado pelo coordenador do MapBiomas, Tasso Azevedo. Ele afirmou que se a plataforma tivesse sido lançada no final do ano, “o percentual de alertas com ação do governo [no MT] teria sido muito maior do que sem atuação.”

Segundo a entidade, o governo do Mato Grosso averiguou 29,5% de um total de 13 mil alertas de desmatamento (cerca de 95% destes ilegais) e tomou alguma forma de ação em 40,5% dos casos. 

Marega  afirmou que o governo está investindo em tecnologias de fiscalização própria e tem a intenção de ter sua própria plataforma de monitoramento em breve. Segundo ele, a Sema-MT tem a meta de  “atender a 100% dos índices de alerta de desmatamento ilegal” ou um número próximo disso até o final de 2022. 

Por ora, no entanto,  Mato Grosso lidera o ranking de maior desmatador pelo terceiro mês consecutivo, registrado em março pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Naquele mês, 46% de todo o desmatamento registrado no bioma ocorreu no Estado, o que equivale a 57 km² do total. Além disso, metade dos 10 municípios que mais desmataram ficam em solo mato-grossense: Nova Ubiratã, Juara, Feliz Natal, Porto dos Gaúchos e Juína. Juntos, eles somaram 35 km² de floresta derrubada.

LEIA MAIS

MT segue líder de desmatamento na Amazônia, diz Imazon

Desmatamento na Amazônia bate recorde no primeiro trimestre de 22

Consumidor quer carne sem desmatamento, diz pesquisa

1% de imóveis coloca Mato Grosso como 5º maior em desmatamento do Cerrado