HomeEcologia

MT discute medidas para regularizar Parque Serra Ricardo Franco

MT discute medidas para regularizar Parque Serra Ricardo FrancoO parque está Localizada em Vila Bela da Santíssima Trindade. Foto: Secom-MT

Audiência pública debate impactos de projeto que afrouxa proteção do Pantanal
Deputados querem abrir reservas florestais de Mato Grosso para mineração
Projeto de Lei que quer acabar com parque pode ser votado nesta quarta

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) considera como prioritária a regularização fundiária do Parque Serra Ricardo Franco, e a implementação de todas as Unidades de Conservação estaduais. Atualmente, 27 das 47 unidades Unidades de Conservação Estaduais estão completamente regularizadas.

O Observatório Socioambiental de Mato Grosso (Observa-MT) denunciou, no início do mês de maio,  a volta em tramitação da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT)  do Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 02/2017 , que propõe acabar com o parque. Havia a expectativa de que ele fosse votado em 11/5, mas ele acabou sendo retirado da pauta.

Uma reunião entre deputados estaduais e representantes do Ministério Público Estadual (MPE), na tarde de quarta-feira, 18/5, pode culminar com o arquivamento do projeto de decreto legislativo (PDL).

O parque está Localizada no município de Vila Bela da Santíssima Trindade.

Estratégias

Uma das estratégias da Sema para regularização é a implantação do novo módulo do Cadastro Ambiental Rural (CAR) que liga diretamente pessoas interessadas em preservar áreas, que irão adquirir a propriedade de quem precisa ser indenizado pelo Estado. Com a medida, proprietários de áreas produtivas inscritas no CAR farão a doação ao poder público de uma área localizada no interior de Unidade de Conservação, pendente de regularização fundiária.

“Este é um dos Parques que tem a sua regularização prioritária para o governo de Mato Grosso, que está trabalhando uma solução para esta questão que se arrasta há décadas, sem que isso onere o poder público”, explica a secretária de Estado de Meio Ambiente, Mauren Lazzaretti.

Situação atual

Mais da metade das Unidades de Conservação Estaduais estão completamente regularizadas, ou com 100% da área do Estado, ou com uso sustentável permitido. Destas, seis são Ra Particular do Patrimônio Natural (RPPN), preservadas por particulares de modo perpétuo.

Outras 8 Unidades de Conservação possuem um percentual da área já pública e regularizada perante o órgão ambiental, como o Parque Estadual Serra Azul e Estação Rio Madeirinha, com 85% de área pública, e a Estação Ecológica Rio Roosevelt, que possui 60% da área de domínio estadual.

Planos de manejo e conselhos

A Sema-MT esclarece que 12 unidades de conservação possuem planos de manejo finalizados e publicados, 6 estão em fase final de elaboração, e 14 estão em planejamento.

Ao todo, 16 Conselhos Consultivos de Unidades estão ativos, e outros estão em fase de reativação ou renovação de seus membros. Os conselhos são importantes para assegurar a participação da sociedade na implementação, gestão e uso adequado das UCs.

Parque Serra Ricardo Franco

O Parque Serra Ricardo Franco possui o Plano de Manejo em fase final de elaboração, contratado com recursos de compensação ambiental. Este é um documento que orienta a gestão da Unidade de Conservação de acordo com as suas características, necessidades e objetivos de preservação.

A unidade possui Conselho consultivo em fase de renovação de membros, criado pela Portaria nº 585 de 05 de dezembro de 2014, e desde então reúne representantes de instituições públicas e de entidades ligadas à comunidade local.

Segundo  Sema-MT, para 2022 e 2023, o investimento previsto é de R$ 688 mil para a capacitação de moradores do entorno sobre a preservação da Unidade de Conservação, equipamentos e estrutura para prevenção e combate aos incêndios e desmate ilegal, sinalização e placas informativas, e monitoramento da biodiversidade (coleta de registros, análises, e tomadas de decisão com base na presença de espécies da fauna e flora no local). O recurso é do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa).

Fonte: Governo do MT e ALMT