HomeEcologiaPecuária

Projeto de boas práticas de pecuária pantaneira é ‘joia da coroa’

Projeto de boas práticas de pecuária pantaneira é ‘joia da coroa’

Maior parte da pecuária de MT é formada por pequenos produtores, diz pesquisa
Entidades do agro assinam protocolo de intenções com o governo para levar internet a todo MT
Cresce exportação de carne bovina do Mato Grosso para o Reino Unido

Por Vinicius Marques

Você sabia que cerca de 90% das áreas do Pantanal são de propriedade privada e, dentro dessa porcentagem, 85% da vegetação nativa está preservada? Foi buscando valorizar os produtores que contribuem para esses dados e desenvolver ainda mais o setor que o projeto Fazenda Pantaneira Sustentável (FPS) foi criado — uma parceria entre Famato, Senar-MT, Acrimat e Embrapa. Segundo Jorge Ferreira de Lara, chefe-geral da Embrapa Pantanal, os índices acima apontam que os agropecuaristas da região são um bom exemplo para o agro brasileiro e merecem espaço no mercado. 

“O Pantanal é a nossa joia da coroa, em termos de pecuária. Ele possui um futuro muito interessante para o nosso mercado”, diz Lara ao Gigante 163. “Depois de questionarmos como o produtor pantaneiro poderia se inserir no cenário econômico, elaboramos o sistema FPS.”

O FPS nada mais é que um software que faz um diagnóstico inicial em cada propriedade pertencente ao programa, considerando índices de sustentabilidade e apresentando o potencial sustentável que a fazenda possui.

“Para facilitar a visualização, imagine uma escala de 0 a 10 para cada fazenda”, explica Lara. “Feita a análise, uma propriedade pode apresentar um potencial de grau 8 de sustentabilidade, mas no momento ter apenas 3 pontos. O nosso sistema então entregará não só o diagnóstico, mas também um caminho exclusivo para que o produtor caminhe esses 5 graus de diferença.” O FPS, conta, utiliza-se de diferentes parâmetros como: econômicos, tecnológicos, ambientais, sociais, estruturais e de bem-estar animal.

O projeto ainda oferece benefícios a propriedades pertencentes ao programa que apresentarem um determinado índice de sustentabilidade. Isso acaba por incentivar e bonificar proprietários que desenvolverem os pontos observados no diagnóstico. “A decisão de aderir às melhorias é exclusivamente do produtor, em função do próprio capital que ele possui, do mercado e do interesse que ele tem ou não de investir”, diz Jorge Lara. O FPS atualmente conta com 15 proprietários de terra, com previsão de novas adesões para o ano de 2022.

Sustentabilidade 

Um aspecto da pecuária do Pantanal que favorece a preservação do bioma é que ela faz muito uso de pastagens nativas. Além disso, os pecuaristas da região tendem a produzir bezerros, ao invés de trabalharem com a fase de engorda do gado. “No caso do pantaneiro, ele ganha na extensão [das terras], conseguindo criar muitos bezerros. Depois, os pecuaristas do Cerrado vão comprá-los e encaminhá-los para a etapa de engorda, que exige mais capim e, portanto, maior área desmatada”, diz o chefe-geral da Embrapa Pantanal.

“Nós temos hoje uma demanda muito forte no mercado mundial por produtos sustentáveis e um critério muito usado é a questão do balanço de carbono, ou seja, quanto de carbono você está evitando que seja liberado”, conta Lara. “Outro índice muito interessante e até mais assertivo é a manutenção da biodiversidade. Não basta apenas ter tantos hectares de vegetação, mas como está a saúde das populações de espécies nativas nessas áreas?”

Além disso, a carne das propriedades do FPS é rastreável. Ou seja, há a garantia aos frigoríficos e consumidores finais de que tais bovinos foram criados em condições sustentáveis desde a gestação.

“O Pantanal, assim, acaba se tornando um grande berçário de gado criado em condições sustentáveis”, afirma Lara.

Aliado aos índices ambientais, o programa conta ainda com fatores sociais que certificam que, por exemplo, as propriedades não apoiam trabalhos análogos à escravidão, ou que desrespeitem a vida de funcionários e moradores locais. Por fim, o programa conta também com serviços técnicos de extensão rural. “A nossa intenção, no futuro, é que os técnicos possam se qualificar no FPS e prestar serviço para essas fazendas, gerando assim uma rede de empregos de desenvolvimento e tecnologia”, Lara conta.

“Se caso houver um questionamento sobre a sustentabilidade da pecuária brasileira, o FPS tem uma tranquilidade muito grande de enfrentar os maiores especialistas do mundo para mostrar, por ‘A+B’, que nós entregamos índices sustentáveis atuais e de extrema qualidade”, conclui Jorge Lara.

LEIA MAIS:

Selo Angus Sustentabilidade prevê lucratividade de certificação de carne

Área com sistemas lavoura-pecuária em Mato Grosso ultrapassa 2,6 milhões de hectares

Estudo confirma potencial de redução de emissões na pecuária