HomeEcologia

Terra indígena de Paresi sofreu 3 focos de incêndio por dia no 2º trimestre

Terra indígena de Paresi sofreu 3 focos de incêndio por dia no 2º trimestre

Retirada de MT da Amazônia Legal prejudica o agronegócio, diz secretário do Formad
Na Amazônia Legal, 74% dos focos de calor são em MT
Mato Grosso teve 1 mihão de hectares queimados de janeiro a agosto

A Terra Indígena de Paresi, no sudoeste do Mato Grosso, lidera o ranking das dez áreas protegidas com mais focos de calor na Amazônia Legal. Localizado no município de Tangará da Serra, o território registrou 320 focos de calor, somente no segundo trimestre de 2021.

Isso significa dizer que, em média, três focos de incêndio a cada 24 horas atingiram a TI mato-grossense, que, no ano passado, já sofreu com o fogo, tendo cerca de 30 mil hectares queimados.

Esses dados fazem parte do levantamento realizado pela Synergia Consultoria Socioambiental na Amazônia Legal, divulgado pelo site Um Só Planeta. De acordo com o estudo, realizado periodicamente desde 2019 pela entidade, o Cerrado ou regiões de transição Cerrado/Amazônia foram os mais atingidos por focos de calor em abril, maio e junho deste ano.

O total de focos de calor registrado na região somou 1.481, de acordo com o relatório, que selecionou 10 áreas protegidas – cinco Unidades de Conservação (UCs) e cinco Terras Indígenas (TI) – , e fez análises a partir de dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Nasa e Ministério do Meio Ambiente.

A falta de chuva prevista para os próximas meses na região só aumenta o risco de novas ocorrências de queimadas provocadas por atividades humanas.

Para Marcos de Lima, coordenador de geoprocessamento na Synergia, a situação revelado pelo relatório “é uma consequência da política de permissividade”.

“Normalmente, esses avanços [do fogo] se iniciam em áreas que não têm essa proteção, mas hoje em dia já passaram para as áreas de conservação”, afirmou Lima.