HomeEconomiaBalanço

Confiança do agronegócio cai no 4º tri de 2021, mas setor segue otimista

Confiança do agronegócio cai no 4º tri de 2021, mas setor segue otimista

Gigantismo do agro salva setor automotivo
Exportações do agro batem recorde em fevereiro e ultrapassam US$ 10 bi
Entidades do agro assinam protocolo de intenções com o governo para levar internet a todo MT

O Índice de Confiança do Agronegócio (ICAgro), divulgado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pela CropLife Brasil, fechou o 4º trimestre de 2021 em 109,6 pontos, queda de 11,5 pontos em relação ao levantamento anterior. A piora na percepção do setor em relação à economia brasileira e o esfriamento dos ânimos em virtude do aumento dos custos dos insumos são os principais motivos que pesaram no resultado, disseram as entidades em nota divulgada nesta quinta-feira.

Apesar do impacto negativo nas indústrias e nos produtores agropecuários causado pela oferta escassa e pelos preços em alta das matérias-primas, é importante observar que o índice se mantém acima de 100 pontos, na faixa considerada otimista pela metodologia do estudo”, ponderaram os organizadores do levantamento.

O ICAgro é calculado a partir dos Índices de Confiança da Indústria Agronegócio (antes da porteira, que são as empresas de insumos agrícolas, e depois da porteira, referente às fabricantes de alimentos) e do Produtor Agropecuário (produtor agrícola e pecuário).

O índice de confiança das indústrias caiu para 109,3 pontos, 12,7 pontos abaixo do levantamento anterior. O recuo foi mais acentuado nas empresas fabricantes de alimentos (depois da porteira), que recuou 15,7 pontos, para 108,4 pontos. A confiança da indústria antes da porteira na economia do Brasil caiu 5 pontos, para 87,1 pontos, enquanto a da indústria depois da porteira diminuiu 22,4 pontos neste quesito, para 85,7 pontos. Considerando toda a indústria, a confiança na economia do Brasil caiu 17,2 pontos, para 86,1 pontos, e a confiança no próprio negócio recuou 14,4 pontos, para 101,3 pontos.

Segundo os organizadores, o aumento nos custos dos fretes, a baixa disponibilidade de contêineres e, consequentemente, o atraso nos embarques, comprometeram o andamento das exportações de produtos como café, açúcar e algodão (indústria depois da porteira). O embargo imposto pela China às importações da carne brasileira também prejudicou o desempenho dos frigoríficos, disseram as entidades no documento.

Pesaram também as variáveis macroeconômicas, externas e internas, como o aumento da taxa de juros, a queda no rendimento médio das famílias e a inflação em alta, que afetaram as expectativas das indústrias de alimentos”, disse no comunicado o vice-presidente do Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp (Cosag), Roberto Betancourt.

O índice de confiança das indústrias de insumos agrícolas (antes de porteira) recuou 5,6 pontos, para 111,4 pontos. O presidente executivo da CropLife Brasil, Christian Lohbauer, avaliou que 2021 terminou sem uma perspectiva de alívio para questões “importantes” que afligem o setor.

A oferta e os preços das matérias-primas tendem a continuar pressionados e diversos fatores contribuem para o problema, como a persistência de gargalos logísticos que foram causados pela pandemia de covid-19 e multiplicaram o custo dos fretes em 2021″, explicou. “A este cenário somam-se as crises energéticas pelas quais atravessam vários países do globo, além de problemas geopolíticos entre Rússia e Ucrânia, que podem trazer impactos para a disponibilidade de fertilizantes com origem na região”, acrescentou.

Produtores

Entre os produtores rurais, agrícolas e pecuários, o índice de confiança caiu 9,8 pontos, para 110,0 pontos, o que sinaliza “uma perda de entusiasmo”, de acordo com os responsáveis pelo ICAgro, ainda que um índice acima de 100 ainda seja considerado otimista. “A percepção sobre a situação geral da economia pesou mais negativamente do que a percepção sobre as condições do próprio negócio”, pontuaram no comunicado.

No caso dos produtores agrícolas, o índice de confiança ficou em 112,0 pontos no quarto trimestre, queda de 9,7 pontos ante o trimestre anterior. A confiança dos agricultores diminuiu em relação a todos os fatores considerados na pesquisa: preços (queda de 6,1 ponto, para 140,7, número considerado otimista); crédito (-1,9 ponto, para 129,2 pontos); produtividade (-0,6 ponto, para 128,7 pontos); e custo de produção (-6,9 pontos, para 17,7 pontos).

Embora tenha registrado o resultado mais baixo desde o terceiro trimestre de 2019, o índice de confiança do Produtor Agrícola encontra-se em um patamar relativamente alto, sustentado, principalmente, pelas avaliações otimistas sobre aspectos como preços das commodities produzidas e crédito”, explicaram as entidades.

“Também deve-se considerar que, se por um lado, os preços dos principais grãos continuaram atrativos para os agricultores; por outro, os custos de produção contribuíram significativamente para reduzir o entusiasmo, levando a confiança para um dos níveis mais baixos já verificados desde o início da série histórica”, observou Betancourt, pontuando que as relações de troca entre grãos e insumos também encerraram o ano em patamares “pouco atrativos” para os produtores rurais.

Entre os pecuaristas, o índice de confiança caiu 10,2 pontos, para 104,0 pontos, nível mais baixo de otimismo entre os segmentos pesquisados, e mais próximo da neutralidade. Segundo os organizadores, os custos de produção foram avaliados com mais pessimismo pelos pecuaristas do que pelos agricultores – o índice referente aos custos diminuiu 9,7 pontos, para 11,0 pontos). Diminuiu também a confiança no crédito (-10,3 pontos, para 117,5 pontos), enquanto aumentou a confiança na produtividade (+0,2 ponto, para 121 pontos) e no preço (+0,8 ponto, para 126 pontos).

A categoria teve de lidar, em 2021, com a alta das rações (puxada pelo milho e pela soja), dos insumos para as pastagens (como a ureia) e, no caso dos produtores de gado de corte, com o aumento dos preços dos bezerros, que elevou o custo de reposição do rebanho”, explicaram as entidades.

O ICAgro é divulgado trimestralmente e avalia a percepção das indústrias de insumos e transformação ligadas ao agronegócio, de cooperativas e produtores, em relação a indicadores econômicos e de competitividade do setor.

Fonte: Estadão Conteúdo