HomeEconomiaInfraestrutura

Estudo alerta para a importância da inclusão do meio rural e interiorano

Estudo alerta para a importância da inclusão do meio rural e interiorano

EUA propõem Lei Florestal que pode barrar exportações do Brasil por desmatamento
Agricultura aguarda China agendar reunião sobre embargo às exportações de carne
MT firma acordo com MapBiomas para monitorar crimes ambientais

O Cebrap Sustentabilidade, em parceria com as Fundações Arymax e Tide Setubal e o Instituto Humanize, traz a público um relatório recém-elaborado que aborda a inclusão econômica de pessoas e regiões vulneráveis do Brasil rural e interiorano. O trabalho reúne evidências e reflexões que visam melhorar a qualidade das iniciativas voltadas a esse ambiente.

O documento sustenta que a pandemia de covid-19 agravou o quadro de desemprego e reduziu a capacidade de resposta do setor público e privado no Brasil.

“O desemprego entre os menos escolarizados vem aumentando e desde o meio da década passada a redução das vagas neste segmento já está na casa dos 17% (IBGE, 2021). Entre o começo da pandemia e o início do segundo trimestre de 2021 a pobreza extrema quase triplicou. A renda dos mais pobres também encolheu em 17%. E a expectativa é de mais um decréscimo adicional de 15% na renda deste segmento ao fim de 2021. Desde agosto do ano passado 32 milhões de pessoas deixaram a classe C; a maioria, 24,4 milhões foram rebaixados diretamente à classe E”, diz o estudo, citando a Fundação Getúlio Vargas.

Questões econômicas como o crescimento do PIB (de apenas 0,26% ao ano na última década), o pior resultado nos últimos 120 anos, os baixos níveis das taxas de poupança e de investimentos, carga tributária elevada e o déficit público disparado são fatores, segundo o estudo, que reduziram a margem fiscal para políticas sociais.

“Uma retomada do crescimento econômico pode aliviar um pouco esse quadro, mas sua reversão não será rápida nem fácil”, afirma.

Para promover a inclusão produtiva dos mais vulneráveis, o estudo situa como imprescindível a renovação das políticas públicas e das experiências produzidas por organizações da sociedade civil.

Para tornar isso possível, é necessário, segundo o trabalho, contar com uma visão sistêmica e multidimensional da inclusão produtiva, ampliar a conexão entre as agendas social, ambiental e produtiva, estimular a melhoria do ambiente econômico em que estão os vulneráveis, promover a coordenação de ações entre Estado, organizações sociais e setor privado, focar na valorização da diversidade biológica e cultural das regiões rurais brasileiras, entre outros.

Elaborado pela Cátedra Itinerante sobre Inclusão Produtiva Rural, o relatório aborda com mais profundidade esses pontos, apresenta dados e aponta caminhos possíveis para oferecer uma visão ampla sobre o tema a pesquisadores, lideranças de organizações da sociedade civil, do setor empresarial e do setor público.

Segundo o estudo, uma das chaves para a inclusão rural está na diversificação econômica e no crescente peso das chamadas “ocupações rurais não agrícolas”. A inclusão produtiva estritamente pela via agrícola não parece promissora, uma vez que as inovações tecnológicas e a mecanização do campo reduziram substancialmente a demanda por mão de obra.

Outra importante conclusão é a crítica à dicotomia que opõe o agronegócio à agricultura familiar. É preciso ir além disso, segundo os autores, e compreender a heterogeneidade observada no campo, onde se nota a convivência, ainda que conflituosa, entre os dois modelos de produção agrícola.

O estudo aborda ainda a necessidade de se pensar em novas formas de uso dos recursos naturais, para além da produção agrícola. Trata-se de algo que vem sendo valorizado com a narrativa da bioeconomia e de novas tecnologias como aplicativos e plataformas online.

O estudo completo pode ser lido aqui.

Fonte: Cebrap