HomeEconomiaAgricultura

Plano Nacional de Fertilizantes quer reduzir dependência de importação

Plano Nacional de Fertilizantes quer reduzir dependência de importação

Agronegócio brasileiro começa 2022 com superávit de US$ 7,7 bilhões
Exportações do agronegócio passam de US$ 15 bilhões
Agricultura aguarda China agendar reunião sobre embargo às exportações de carne

Em meio à crise, o Plano Nacional de Fertilizantes pretende aumentar os investimentos na produção dos insumos e reduzir para 60% a importação destes. Segundo informações exclusivas obtidas pelo portal CNN Brasil, o projeto está em vias de publicação e não visa a autossuficiência, mas sim melhor aproveitamento da capacidade mineral do país que, apesar de seu gigantismo no agronegócio,  ainda necessita fortemente de exportações.  

A porcentagem de importações esperada pelo projeto levará ainda alguns anos para ser alcançada, uma vez que, atualmente, ela se encontra nos 80% de dependência. Isso porque a crise na cadeia de fertilizantes não é apenas dentro do Brasil. Ela tem se desdobrado a níveis globais, portanto não possui soluções a curto prazo. 

“Atualmente, os produtores brasileiros enfrentam um cenário desfavorável para comprar fertilizantes, pois as principais indústrias exportadoras deste insumo (localizadas na China, Rússia, Bielorrússia e Canadá) passam por dificuldades operacionais e colocam em risco a cadeia de suprimentos mundial”, diz o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) a respeito do assunto.

Conforme reportado pela Agência Senado, foi realizada uma Comissão de Agricultura para tratar do tema e cobrar maior celeridade na apresentação do plano. Foram propostas nas audiências, como possíveis caminhos para mitigar os impactos no setor, “alterações tributárias para novos investimentos na produção e na comercialização; linhas de crédito, não apenas para inovações mas para a produção de fertilizantes; modificações legislativas e regulatórias; e facilitação da produção de bioinsumos por fabricantes nacionais”.

O Brasil possui áreas minerais ricas em matérias-primas de fertilizantes, como potássio e fósforo. No entanto, incentivar a exploração de tais regiões, sem os devidos cuidados socioambientais, acarretará em prejuízo a biomas brasileiros como a Amazônia e Cerrado. Assim, um primeiro passo para fomentar o setor nacional será realizar um mapeamento geológico, para a descoberta dos minerais, além de estudos ambientais prévios para avaliar a viabilidade legal da extração.

LEIA MAIS:

No Irã, ministra fala sobre comprar fertilizantes e exportar produtos brasileiros

Exportadora de potássio da Belarus diz não conseguir embarcar produto

Crise dos fertilizantes pode afetar abastecimento no Brasil