HomeEconomiaPecuária

Suinocultura brasileira contabiliza ‘prejuízo assustador’, diz ABCS

Suinocultura brasileira contabiliza ‘prejuízo assustador’, diz ABCS

Suinocultores temem que conflito no leste europeu aumente custos
Suinocultores pedem medidas emergências para conter crise
Comissão debate crise no setor e sugere medidas para amparar suinocultor

A Associação Brasileira de Criadores de Suínos (ABCS) afirmou na terça-feira, 15/2, em nota, que a ampla oferta de suínos e custos elevados de produção determinam, neste momento, a pior relação de troca da história da suinocultura do País.

Em levantamento realizado pela entidade, em janeiro deste ano a relação de troca do suíno com o milho foi de 3,65 (com a venda de 1 quilo de suíno se compram 3,65 quilos de milho) e, com o farelo de soja, foi de 2,11. A média das duas primeiras semanas de fevereiro indicou um agravamento dessa relação de troca do suíno com o milho e o farelo de soja, chegando a 3,29 e 1,90, respectivamente.

Como base de referência, de modo geral considera-se como ideal, para que se tenha margem positiva na atividade, que 1 kg de suíno vivo seja suficiente para comprar ao menos 6 kg de milho ou, no mínimo 3,5 kg de farelo de soja. “Ou seja, o prejuízo contabilizado pela atividade neste início de ano é realmente assustador.”

A ABCS aponta vários motivos para o setor ter chegado a esta situação. As exportações da proteína suína para a China começaram a diminuir entre outubro de 2021 até janeiro deste ano, segundo a ABCS. No primeiro mês de 2022, o país asiático se manteve na liderança das aquisições do Brasil, mas isso não representou a metade das exportações.

“A Rússia que, ao anunciar cota de 100 mil toneladas para o primeiro semestre deste ano, representou uma esperança de compensar o recuo chinês, ainda se mostrou muito tímida nas compras, pelo menos em janeiro, com apenas 1.657 toneladas”, observou a entidade.

Em 2021 a disponibilidade interna de carne suína aumentou em mais de 284 mil toneladas, quando comparado com o ano anterior, resultando em incremento do consumo de 1,2 kg por habitante/ano, ou seja, crescimento de 7%, o maior salto da história em um ano.

Dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) mostram que a média exportada de carne suína, nos primeiros nove dias úteis de fevereiro, ficou em pouco mais de 3,1 mil toneladas por dia, contra 4 mil toneladas diárias em fevereiro do ano passado, “indicando que não teremos, ao menos neste início de ano, crescimento significativo das exportações”, diz a ABCS.

A entidade relata que mais preocupante é a queda do valor da tonelada exportada, que, em fevereiro de 2021, foi de US$ 2.425 e agora (fev/22) recuou para US$ 2.166, tornando o mercado de exportação menos atrativo, o que também contribui para a queda de preço no mercado doméstico, em função de maior oferta.

Outro fator foi que a queda do preço de venda do suíno vivo foi agravada pelo custo de produção ainda em alta. Além disso, mesmo com a colheita da primeira safra de milho em curso, o milho segue em alta por causa da estiagem e quebra da produção na Região Sul. Os preços do farelo de soja também continuam em ritmo de alta, se aproximando dos R$ 3 mil por tonelada em algumas praças. Essa combinação de baixo preço de venda e alto custo dos principais insumos determinou, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), na primeira quinzena do ano, a pior relação de troca entre o suíno e o milho.

Para o presidente da ABCS, Marcelo Lopes, o cenário de alta de grãos, agravado por uma oferta elevada de carne suína, indica, pelo menos no primeiro semestre de 2022, “um período de muitas dificuldades para o setor, que já vem amargando prejuízos desde o início do ano passado”.

A ABCS informa ainda que tem trabalhado junto ao governo federal, solicitando medidas emergenciais que possam amenizar este momento, além de trabalhar no incentivo ao consumo para fortalecer o mercado interno, diminuindo a dependência das exportações e escoando o excedente da produção.

Fonte: Estadão Conteúdo