HomeMundo

Sanções a Belarus podem encarecer mais os alimentos, diz Tereza Cristina

Sanções a Belarus podem encarecer mais os alimentos, diz Tereza Cristina

Comer canjica na Sexta-feira Santa é tradição em MT
Governo reforça fiscalização em rios e estradas de MT contra pesca ilegal
1% de imóveis coloca Mato Grosso como 5º maior em desmatamento do Cerrado

Após o governo russo anunciar restrições às exportações de fertilizantes nitrogenados por meio de cotas de exportação pelo período de seis meses a partir de 1º de dezembro, com o objetivo de evitar escassez no mercado interno, o governo brasileiro entrou em campo para evitar a interrupção do comércio entre os dois países.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou na entrevista abaixo ao jornal “Estadão”, dos Emirados Árabes, que o governo se antecipa para evitar que as sanções econômicas dos Estados Unidos e União Europeia contra Belarus, de onde sai 20% do potássio usado no campo brasileiro, provoquem novo aumento no preço dos alimentos e prejudiquem o fornecimento de fertilizantes para a safra de verão.

O presidente está preocupado com o fornecimento de fertilizantes ao Brasil. Como evitar impacto na produção de alimentos?

Existe uma preocupação, porque importamos de 20 países, entre eles 20% de Belarus, que vai sofrer sanções econômicas dos Estados Unidos e da União Europeia no dia 8 de dezembro (em razão da crise de imigração na fronteira com a Polônia). Não é que vamos ter problemas de fornecimento, mas vamos ter problemas quanto ao pagamento. É mais ou menos o que já acontece com o Irã e que traz alguns transtornos na hora do pagamento. Estamos nos antecipando a isso, conversando com outros parceiros para que a gente tenha um porcentual nas exportações de produtos, para que a gente tenha segurança que nossos fertilizantes vão chegar a tempo.

Quando teria impacto?

Não temos problemas nesta safra, inclusive mais de 70% está plantada. Já temos produtos chegando para a segunda safra, não há também problemas maiores, mas estamos nos antecipando para a safra de verão, que vem daqui a um ano, em setembro, outubro e novembro. Saio daqui e vou para a Rússia conversar com alguns fornecedores, para garantir que teremos 100% dos fertilizantes de que precisamos.

Isso vai impactar o preço dos alimentos no Brasil agora?

Tudo impacta, mas a gente está trabalhando antecipadamente para que não aconteça.

Qual a situação do embargo da carne na China?

Estamos aguardando. Fornecemos todos os esclarecimentos porque, infelizmente, irresponsavelmente, deram uma notícia de que teríamos dois casos de BSE (o chamado mal da vaca louca) em humanos, o que não é verdade. Foi logo esclarecido, mas tudo isso causa algum tipo de desconfiança, e a gente precisa passar novas informações. Já passamos todas as informações à China. Agora, estamos aguardando a resposta deles sobre mais essa notícia desencontrada.

Fonte: Estadão Conteúdo

LEIA TAMBÉM:
UE adota regras para impedir consumo e compra de áreas desmatadas