HomeEcologiaAgricultura

A solução para as crises hídricas está bem debaixo dos nossos pés?

A solução para as crises hídricas está bem debaixo dos nossos pés?Boas práticas podem ajudar a prevenir a poluição na fonte. Foto: Governo Federal

Governo pede ao Congresso R$ 642,1 milhões adicionais para Agricultura
Fertilizantes: Rússia restringe exportação de nitrogenados por seis meses
Estado inicia contrução de unidade do Indea em Juína

A UNESCO, em nome da ONU-Água, lançou na segunda-feira, 21/3, a última edição do Relatório Mundial de Desenvolvimento da Água das Nações Unidas, intitulado “Águas subterrâneas: tornando o invisível visível” na cerimônia de abertura do 9º Fórum Mundial da Água em Dakar, Senegal.

As águas subterrâneas representam 99% de toda a água doce líquida da Terra. No entanto, este recurso natural é muitas vezes mal compreendido e, consequentemente, subvalorizado, mal gerido e até mesmo abusado. De acordo com a última edição do Relatório Mundial de Desenvolvimento Hídrico das Nações Unidas, publicado pela UNESCO, o vasto potencial das águas subterrâneas e a necessidade de gerenciá-las de forma sustentável não podem mais ser negligenciados.

Os autores pedem aos Estados que se comprometam a desenvolver políticas de governança e gestão de águas subterrâneas adequadas e eficazes para lidar com as crises hídricas atuais e futuras em todo o mundo.

Atualmente, as águas subterrâneas fornecem metade do volume de água captado para uso doméstico pela população global, incluindo a água potável para a grande maioria da população rural que não recebe sua água por meio de sistemas de abastecimento público ou privado, e cerca de 25% de toda a água utilizada para irrigação.

Globalmente, o uso da água está projetado para crescer cerca de 1% ao ano nos próximos 30 anos. Espera-se que nossa dependência geral das águas subterrâneas aumente à medida que a disponibilidade de água superficial se torna cada vez mais limitada devido às mudanças climáticas.

Cada vez mais recursos hídricos estão sendo poluídos, superexplorados e esgotados pelo homem, às vezes com consequências irreversíveis. Fazer uso mais inteligente do potencial dos recursos hídricos subterrâneos ainda escassamente desenvolvidos e protegê-los da poluição e superexploração é essencial para atender às necessidades fundamentais de uma população global cada vez maior e para enfrentar as crises climáticas e energéticas globais.

Melhorar a maneira como usamos e gerenciamos as águas subterrâneas é uma prioridade urgente se quisermos alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030. Os tomadores de decisão devem começar a levar plenamente em conta as formas vitais pelas quais as águas subterrâneas podem ajudar a garantir a resiliência da vida humana. vida e atividades em um futuro onde o clima está se tornando cada vez mais imprevisível.

Agricultura

A água subterrânea é um recurso crítico para a agricultura irrigada, pecuária e processamento de alimentos. Sua captação tem desempenhado um papel importante na aceleração da produção de alimentos a partir da década de 1970, especialmente em áreas semi-áridas e áridas com precipitação limitada e águas superficiais.

Atualmente, 70% das captações globais de água subterrânea, e ainda mais em regiões áridas e semiáridas, são usadas na produção agrícola de alimentos, fibras, pecuária e culturas industriais, e estima-se que 38% das terras equipadas para irrigação sejam servidas por este recurso.

Para atender às demandas globais de água e agricultura até 2050, incluindo um aumento estimado de 50% em alimentos, o desenvolvimento de águas subterrâneas pode atuar como um catalisador para melhorar a produtividade agrícola e o crescimento econômico, aumentando a extensão das áreas irrigadas.

Desafios

O esgotamento das águas subterrâneas devido a retiradas intensivas para a agricultura está se tornando uma questão de crescente preocupação em certas áreas, onde ameaça minar a segurança alimentar, o abastecimento básico de água, a resiliência climática e a integridade ambiental de pântanos e cursos de água dependentes de águas subterrâneas.

Taxas de captação insustentavelmente altas estão concentradas em áreas áridas e semiáridas, onde o crescimento populacional e a expansão das áreas irrigadas levaram a um rápido crescimento na demanda de água. Enquanto em outras regiões, como a África Subsaariana, os grandes volumes de águas subterrâneas renováveis ​​permanecem amplamente subexplorados.

A agricultura é a principal causa da poluição das águas subterrâneas em áreas rurais e, em todo o mundo, estima-se que a poluição agrícola ultrapassou a contaminação de assentamentos e indústrias.

O nitrato, proveniente de fertilizantes químicos e orgânicos, é o contaminante antropogênico mais prevalente nas águas subterrâneas em todo o mundo, levando à eutrofização das águas superficiais. Inseticidas, herbicidas e fungicidas, quando aplicados ou descartados de forma inadequada, também podem poluir as águas subterrâneas com substâncias cancerígenas e outras substâncias tóxicas.

Instrumentos econômicos para o controle da poluição das águas superficiais e subterrâneas são cada vez mais empregados, mas as evidências sugerem que as leis e regulamentos para prevenir a poluição das águas subterrâneas pela agricultura são geralmente fracos. Políticas de informação e conscientização para mudar o comportamento do agricultor e incentivar a adoção de Boas Práticas de Manejo na agricultura podem ajudar a prevenir a poluição na fonte.

O que precisa ser feito?

1. Coletar dados

O relatório levanta a questão da falta de dados sobre as águas subterrâneas e enfatiza que o monitoramento das águas subterrâneas é muitas vezes uma ‘área negligenciada’. Para melhorar isso, a aquisição de dados e informações, que geralmente fica sob a responsabilidade de agências nacionais (e locais) de águas subterrâneas, poderia ser complementada pelo setor privado.

Particularmente, as indústrias de petróleo, gás e mineração já possuem uma grande quantidade de dados, informações e conhecimento sobre a composição dos domínios subterrâneos mais profundos, incluindo aquíferos. Por uma questão de responsabilidade social corporativa, as empresas privadas são altamente incentivadas a compartilhar esses dados e informações com profissionais do setor público.

 2. Fortalecer os regulamentos ambientais

Como a poluição das águas subterrâneas é praticamente irreversível, deve ser evitada. Os esforços de fiscalização e a acusação de poluidores, no entanto, são muitas vezes desafiadores devido à natureza invisível das águas subterrâneas. A prevenção da contaminação das águas subterrâneas requer o uso adequado da terra e regulamentações ambientais apropriadas, especialmente nas áreas de recarga de aquíferos.

É imperativo que os governos assumam seu papel como guardiões de recursos em vista dos aspectos de bem comum das águas subterrâneas para garantir que o acesso e o lucro sejam distribuídos de forma equitativa e que o recurso permaneça disponível para as gerações futuras.

3. Reforçar os recursos humanos, materiais e financeiros

Em muitos países, a falta geral de profissionais de águas subterrâneas entre o pessoal das instituições e governos locais e nacionais, bem como mandatos, financiamento e apoio insuficientes de departamentos ou agências de águas subterrâneas, dificultam a gestão eficaz das águas subterrâneas. O compromisso dos governos em construir, apoiar e manter a capacidade institucional relacionada às águas subterrâneas é crucial.

O Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial da Água das Nações Unidas (WWDR), a principal publicação da ONU-Água sobre questões de água e saneamento, concentra-se em um tema diferente a cada ano. O relatório é publicado pela UNESCO em nome da ONU-Água e sua produção é coordenada pelo Programa Mundial de Avaliação da Água da UNESCO. O relatório dá uma visão das principais tendências relativas ao estado, uso e gestão de água doce e saneamento, com base no trabalho de membros e parceiros da ONU-Água.

Lançado em conjunto com o Dia Mundial da Água, o relatório fornece aos tomadores de decisão conhecimento e ferramentas para formular e implementar políticas de água sustentáveis. Também oferece exemplos de melhores práticas e análises aprofundadas para estimular ideias e ações para uma melhor gestão no setor da água e além.

Fonte: Unesco

LEIA MAIS: 

‘É possível aumentar a produtividade sem reduzir a vazão dos rios’, diz Ipac

168 entidades divulgam carta contra construção de porto no Rio Paraguai

Perda de água no país é crítica e afeta diferentes cadeias produtivas

Mato Grosso é o 2° Estado que mais perde água no Brasil