HomeEconomiaEcologia

Desmatamento deprecia terra e commodities agrícolas, diz estudo

Desmatamento deprecia terra e commodities agrícolas, diz estudo

Na Agrishow, setor cobra divulgação de histórico ‘sustentável’ do agro
Cresce presença feminina no setor agropecuário brasileiro
Frete atinge níveis recordes em MT com avanço da colheita de soja

Mesmo sem derrubar uma árvore, produtores rurais que adquiriram terras principalmente em áreas de expansão agrícola, como Norte do País e Matopiba (Maranhão, Piauí, Tocantins e Bahia), acabam se beneficiando do desmatamento feito anteriormente por terceiros. No mínimo, pagando mais barato pelo hectare, em função da maior oferta de terra agora agricultável. É o que aponta o estudo lançado nesta quinta-feira, 17, pelo Instituto Escolhas, intitulado “Como o agro brasileiro se beneficia do desmatamento?”.

Se você é produtor e aumentou sua área de cultivo no período de 2006 a 2017, o desmatamento foi um subsídio para a aquisição das suas terras, mesmo que você não tenha derrubado uma só árvore”, reforça o estudo

Coordenado pela gerente de Portfólio do Instituto Escolhas, Jaqueline Ferreira,  o relatório  contou com a execução de uma equipe multidisciplinar de pesquisadores da Esalq-USP, formada por Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho, Gerd Sparovek, Adauto Brasilino Rocha Junior, Alberto Barreto, Arthur Fendrich e Giovani William Gianetti.

O Instituto Escolhas explica, no estudo, que o valor de mercado de um pedaço de terra é influenciado por diversos fatores, como infraestrutura, proximidade de cidades, passando por disponibilidade de água para irrigação e acesso a orientação técnica.

A partir do desenvolvimento de modelagens espacial e econométrica inéditas – que utilizou dados sobre o preço da terra, a agropecuária e a mudança de uso da terra no País entre 2006 e 2017, o estudo isolou o desmatamento e a consequente incorporação de terras para uso agropecuário dos demais fatores que influenciam o preço da terra”, continua. “Com isso, foi possível observar o seu efeito no preço da terra e dos produtos agrícolas.”

Segundo o estudo, a incorporação de novas áreas desmatadas no mercado de terras entre 2011 e 2014, por exemplo, provocou uma depreciação de R$ 136,7 bilhões no valor do estoque de terras brasileiro, ou o equivalente a uma redução média de R$ 391 por hectare. O “estoque” de terras consiste nas terras disponíveis do País. E o valor foi depurado multiplicando-se o preço médio do hectare no País pelo total de terras disponíveis.

Em áreas de expansão agrícola, como Matopiba e Amazônia, a depreciação alcançou R$ 83,5 bilhões em 2017, ou 25% do valor da terra, “o equivalente a uma redução média de preço de R$ 985 por hectare”, aponta o levantamento do Instituto Escolhas.

Em São Félix do Xingu (PA), por exemplo, que é o município com maior depreciação observada, o preço por hectare em 2017 era de R$ 2.476.

Sem o desmatamento de anos anteriores, o preço teria chegado a R$ 6.606 por hectare”, aponta o Escolhas.

Outra conclusão é de que 93,5% (ou 5.218) municípios brasileiros tiveram redução no preço de terras por causa do desmatamento. “Entretanto, apenas 61 deles, ou 1,15% acumularam metade da redução observada”, anota o trabalho – sendo que esses 61 municípios estão situados, em sua maioria, em área de expansão agrícola.

E não só isso: o estudo conclui também que até mesmo o preço de commodities agrícolas poderia ser maior, não fosse o “efeito desmatamento”.

No caso da soja, houve redução no preço médio da saca de R$ 3,10, ou 4,5% a menos”, diz o Instituto Escolhas. “Em relação ao valor bruto da produção agropecuária de soja em 2017, isso representou perda de R$ 6,67 bilhões.”

Para Jaqueline Ferreira, o estudo comprova que “o desmatamento ocorrido na fronteira agrícola, na Amazônia e no Cerrado, deprecia o preço de terras do País como um todo, funcionando como uma espécie de subsídio ou desconto para aqueles produtores que têm como estratégia a incorporação de novas áreas para o aumento da produção”, cita.

Já os produtores que apostam no aumento da produtividade de suas áreas saem perdendo com o desmatamento, uma vez que têm o preço suas terras depreciadas.”

Ao mostrar que poucos ganham muito com a depreciação do preço da terra, o estudo traz mais uma evidência de que o desmatamento prejudica o setor.

Ainda assim, a maior parte do agro se esquiva de adotar medidas concretas para se desvincular do desmatamento, como a rastreabilidade de todos os fornecedores das cadeias produtivas ou o registro e georreferenciamento das propriedades”, cita Jaqueline. “Ou, ainda mais grave, é comum ver lideranças do setor defendendo ou tolerando silenciosamente o desmonte da legislação ambiental e a rotina de atos de regularização fundiária que premiam quem desmata.”

Fonte: Estadão

LEIA MAIS:

Plataforma estima risco de 15 km² de desmatamento na Amazônia em 22

Em 11 anos, 92% do desmatamento em fazendas de soja de MT foi ilegal, diz estudo

Desmatamento e mudança climática colocam em risco nova fronteira agrícola brasileira

Redução do desmatamento é desafio para adesão do Brasil à OCDE

França vincula Bunge e Cargill a cadeias produtivas de soja com risco de desmatamento