HomeMundo

França vincula Bunge e Cargill a cadeias produtivas de soja com risco de desmatamento

França vincula Bunge e Cargill a cadeias produtivas de soja com risco de desmatamento

Bunge anuncia intenção de adquirir participação minoritária na Pantanal Agrícola
Empresas de alimentos da Espanha usam soja de desmatamento, diz estudo
Gigantes do agro seguem comprando soja de desmatadores

O cerco ao produtor rural que desmata está se fechando. Não apenas a ele, mas às gigantes de commodities agrícolas também. De acordo com reportagem do “Financial Times” desta terça-feira, 14/12, a França, membro da União Europeia (UE), nomeou as gigantes do agro Bunge e Cargill como as principais importadoras de soja de áreas com risco de desmatamento, um dos principais causadores do aquecimento global

Como publicamos aqui, o poder Executivo da UE apresentou há um mês uma proposta para impedir a importação de matérias-primas provenientes de áreas de desmatamento. O Congresso dos Estados Unidos, por sua vez, pode aprovar projeto no mesmo sentido. Em ambos, o foco são produtos como soja, cacau, gado, borracha, óleo de palma, madeira , entre outros.

De acordo com o “Financial Times”, a Bunge e a Cargill  foram identificadas enquanto o governo francês tenta limpar as cadeias de abastecimento da agricultura do país com o lançamento de um banco de dados online que rastreia as exportações de soja do Brasil para a França, informa a publicação.

O Mato Grosso lidera o ranking de Estados exportadores de soja no Brasil. De janeiro a julho, o embarque do Estado totalizou 16,2 milhões de toneladas. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic). Representa então, de janeiro até o momento, 46% das exportações de Mato Grosso.

O banco de dados online, que foi lançado pelo governo francês com a ajuda do grupo de transparência da cadeia de suprimentos Trase e a ONG ambiental Canopee, destaca o papel das maiores empresas agrícolas do mundo no manuseio de commodities potencialmente ligadas ao desmatamento. A lista inclui também a Amaggi, a Cervejaria Petropolis, a Copagro, Comigo e Cooperativa Agrária Agro.

Segundo o banco de dados francês, cerca de um quarto das exportações brasileiras de soja para a França em 2018 veio de áreas atingidas pelo desmatamento.

A ferramenta mostrou que a Bunge respondeu por 70% das cargas de soja de áreas ameaçadas pelo alto risco de desmatamento, enquanto a Cargill respondeu por quase 10%.

A Bunge respondeu que está comprometida em alcançar cadeias de abastecimento livres de desmatamento até 2025 e já havia removido alguns agricultores vinculados a terras desmatadas de sua cadeia de abastecimento.

A Cargill afirmou que os dados da plataforma não refletem as importações francesas, acrescentando que está empenhada em eliminar o desmatamento no menor tempo possível, mas que não há uma solução única para o problema.

O governo francês rebateu que comerciantes e outras empresas foram convidados a compartilhar seus dados para melhorar a qualidade da análise.

Bilateral

Em 2018, cerca de 411 mil toneladas de um total de 1,57 milhão de toneladas de soja, ou produtos dela derivados, exportados do Brasil para a França, foram associadas a alto risco de desmatamento, de acordo com o site francês Mighty Earth.

A França importa cerca de 3 milhões de toneladas de farinha de soja, ou cerca de 17% do total da UE por ano, de acordo com o Ministério da Transição Ecológica do governo. “Acompanhar o fluxo dessas importações que representam risco para as florestas ajudará com o risco da cadeia de abastecimento ”, disse a pasta.

O Brasil é o maior produtor mundial da leguminosa, que é usada principalmente como ração para gado e óleo. Sua produção tem sido uma das causas do desmatamento da floresta tropical ao longo de várias décadas.

A Amazônia e as savanas brasileiras são amortecedores críticos contra as mudanças climáticas, atuando como gigantescos estoques de carbono. No ano até julho, a taxa de desmatamento da Amazônia foi a maior em 15 anos, segundo dados oficiais brasileiros.

Reino Unido

No início deste mês de dezembro, o governo do Reino Unido lançou uma consulta pública com o objetivo de limpar as cadeias de abastecimento para combater o desmatamento ilegal. Assim como está fazendo a França.
Em outubro, os britânicos já tinham colocado no ar uma plataforma digital para rastrear suas importações. Tudo isso tem um foco só: fazer a devida diligência das empresas para garantir que estejam usando commodities produzidas de acordo com as leis locais.

A consequência é, segundo o governo, tornar ilegal para grandes empresas no Reino Unido o uso de commodities – como cacau, carne bovina, soja, café, milho e óleo de palma, entre outras – cuja produção esteja associada à perda de floresta em grande escala.

A consulta durará 14 semanas e reunirá evidências sobre como o governo pode implementar regulamentos de devida diligência com eficácia.

Fonte: Financial Times e Governo do Reino Unido

LEIA TAMBÉM:
UE adota regras para impedir consumo e compra de áreas desmatadas
EUA propõem Lei Florestal que pode barrar exportações do Brasil por desmatamento
Aprosoja condena norma da UE: ‘Protecionismo comercial disfarçado’
SRB repudia proposta da União Europeia de barrar importação de áreas desmatadas