HomeEcologia

MT tem 16 municípios entre os 40 que sofrem maior impacto do fogo no País

MT tem 16 municípios entre os 40 que sofrem maior impacto do fogo no PaísIncêndios ocorrem em área de vegetação nativa. Foto: EBC

Artigo: Mudanças climáticas podem inviabilizar 2ª safra de milho e algodão em Mato Grosso
Empresas de alimentos da Espanha usam soja de desmatamento, diz estudo
1% de imóveis coloca Mato Grosso como 5º maior em desmatamento do Cerrado

Mato Grosso tem 16 municípios entre os 40 que sofrem maior impacto do fogo no Brasil. Pedra Preta, na região sul, é o o mais afetado por incêndios de grande porte, mas o nordeste do Estado, porém, é o que concentra a maior quantidade de municípios na lista. Os dados fazem parte do novo estudo Determinants of the impact of fire in the Brazilian biomes, publicado na Frontiers in Forests and Global Change.

Ao investigaram as causas dos incêndios nos biomas brasileiros, seus impactos na vegetação nativa e tendências futuras, pesquisadores do Centro de Sensoriamento Remoto da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), da Universidade de Brasília (UnB) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) concluíram que eles não são naturais e tendem a se agravar com a expansão da agropecuária e mudanças climáticas.

O estudo quantifica a influência dos fatores climáticos, uso da terra, desmatamento e vegetação seca, que atua como combustível ao fogo, na ocorrência de incêndios na Amazônia, Pantanal, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica e Pampa. A vegetação nativa, sobretudo as formações florestais, está sendo fortemente impactada pelo fogo, perdendo, como resultado, sua capacidade de regeneração devido à recorrência dos incêndios, de acordo com o documento.

“Na Amazônia, a redução da resiliência da vegetação nas áreas queimadas é de 23%; no Cerrado, 19%; e no Pantanal, 16%.  Além disso, ao contrário do que foi especulado durante os incêndios de 2020, a presença de gado se mostrou um fator estatisticamente associado aos incêndios de grande impacto no Pantanal e no Cerrado”, conclui o estudo.

Segundo os pesquisadores, no Cerrado e no Pantanal, o histórico de incêndios de grande impacto mostra que eles ocorrem em áreas de vegetação nativa, comumente em Unidades de Conservação próximas a propriedades rurais que possuem maiores rebanhos bovinos e, principalmente, nas quais ocorreu desmatamento recente. O desmatamento para a produção agropecuária e o uso do fogo para rebrota de pasto são, assim, as principais causas dos incêndios, que se iniciam em propriedades privadas, escapando em seguida para as áreas de vegetação nativa das Unidades de Conservação e Terras Indígenas.

“Ou seja, embora no Pantanal a presença de vegetação seca influencie a propagação do fogo, o uso da terra, incluindo a pecuária, o desmatamento e o clima são os fatores principais que explicam 78% da ocorrência de grandes incêndios.”

Fonte: UFMG, UnB, Inpe