HomeEconomia

De quem é a culpa pelo alto custo dos fertilizantes?

De quem é a culpa pelo alto custo dos fertilizantes?Aumento está relacionado à política das fabricantes. Foto: Mapa

Operação apreende 275 litros de agrotóxicos sem registro
Chuvas afetaram qualidade da pluma, mas não colheita do algodão
MT assina parceria com ABNT para certificar empresas ‘carbono neutro’

Por André Garcia

Quem é do campo sabe: já há algumas safras em que a cotação das commodities não se reverte em favor do produtor, que está pagando cada vez mais caro pelos insumos. No Brasil, de janeiro de 2020 a março de 2022 os preços nominais dos principais fertilizantes, por exemplo, tiveram alta de 288% enquanto os preços da soja, milho e trigo não subiram nem a metade disso, totalizando 110%.

De acordo com a Confederação Nacional da Agricultura (CNA), embora o valor destes produtos tenha começado a enfraquecer em agosto de 2022,  os patamares atuais ainda são significativamente mais elevados que há dois anos. O conflito entre Rússia e Ucrânia é normalmente apontado como uma dos principais responsáveis por este desequilíbrio. Mas seria o cenário geopolítico o fator de maior peso nesta balança?

Por mais de uma vez os elevados custos de produção levaram ao anúncio de uma crise alimentar mundial. Em 2021, o  CEO da norueguesa Yara, uma das maiores fornecedoras globais de adubos, Svein Tore Holsether, atribuiu um possível desabastecimento ao aumento dos preços da energia, o que atinge diretamente a agricultura . Em 2022, relacionou o temor à alta decorrente de sanções econômicas impostas à Rússia, importante exportara de insumos.

“Vamos ter uma crise alimentar. É só uma questão de quão grande”, assegurou ao Wall Street Journal em março do ano passado.

No mesmo mês,  o Índice de Preços de Fertilizantes Green Markets North America saltou quase 10%, atingindo uma alta histórica. Porcentagem que se traduz em lucratividade estratosférica divulgada agora, em 2023, no relatório financeiro da empresa.

Com lucro líquido global de US$ 766 milhões no quarto trimestre do ano passado, a Yara reverteu o prejuízo líquido de US$ 26 milhões registrado no mesmo período de 2021. A receita com vendas foi de US$ 5,4 bilhões, com alta de 8,5% na mesma comparação. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) foi de US$ 1,067 bilhão e cresceu 40%.

A companhia destaca que a melhoria de margens, devido aos preços de venda mais altos dos produtos comercializados, e os ganhos de conversão de moedas compensaram a alta de custos de produção e a queda do volume de entregas — que no último trimestre do ano foi de 25%.

Isso mostra que o aumento no preço dos insumos agrícolas está mais ligado à política comercial dos fabricantes do que às conjunturas políticas e econômicas.  Comprova ainda o enorme poder que as empresas de fertilizantes têm sobre a cadeia de produção de alimentos, já que conseguem repassar aumentos de preços para agricultores e consumidores ao mesmo tempo em que incrementam suas margens de lucro.

LEIA MAIS:

Vendas de bioinsumos cresce 67%, mas uso no País ainda é pequeno

Conheça sete razões para apostar nos bioinsumos

Cresce a procura por bioinsumos em função dos preços dos fertilizantes

Novos bioinsumos ‘revolucionam’ agricultura brasileira, diz presidente da Embrapa

Brasil deve ser destaque mundial no uso de bioinsumos nos próximos anos