HomeEconomiaProdutividade

El Niño ameaça produção agrícola no Centro Oeste, diz jornal inglês

El Niño ameaça produção agrícola no Centro Oeste, diz jornal inglêsEl Niño pode causar extremos de seca, chuva e calor. Foto: Agência Brasil

Extremos climáticos já prejudicam plantio de soja
Avanço da colheita de soja confirma efeitos da crise climática
Rastreabilidade pode reverter prejuízos na pecuária

Por André Garcia

Como já mostrado pelo Gigante 163, as mudanças na temperatura ocasionadas pelo El Niño produzem anomalias climáticas em toda a região tropical do planeta, resultando em três diferentes extremos: seca, inundações e calor intenso. No Brasil, a previsão é que o clima quente atingirá em cheio a região Centro-Oeste, o coração agrícola do país.

Mapa mostra efeitos do El Niño sobre os países latino-americanos. O cinza representa umidade atípica, o amarelo seca atípica e o vermelho calor atípico. Crédito: EIU.

Analistas da Economist Intelligence Unit (EIU), divisão de pesquisa e análise do renomado jornal inglês The Economist, reforçam que o desequilíbrio pode, dentre outros prejuízos, aumentar o risco de incêndios florestais e prejudicar a produção. Grãos básicos e o gado – todos altamente dependentes das chuvas – serão os mais afetados.

Os especialistas também apontaram, em publicação feita na sexta-feira, 21/7, que Norte e Nordeste, importantes produtores de algodão, milho e cana-de-açúcar, provavelmente enfrentarão a seca. Por outro lado, a região Sudeste tende a se beneficiar de chuvas abundantes na primavera e no verão, o que pode impulsionar a produção agrícola.

O The Economist cita os recordes brasileiros obtidos na safra do milho para destacar que os bons índices produtivos registrados neste ano podem não se repetir. A previsão se estende a toda a América Latina, região diretamente afetada pelo fenômeno é responsável por uma parcela crescente dos produtos agrícolas mundiais.

“A colheita deste ano tem sido particularmente abundante e ajudou a compensar a escassez de cultivos da Ucrânia devido à guerra. Uma boa colheita em grande parte do mundo manteve o fluxo de suprimentos e os preços sob controle. O retorno do El Niño pode mudar essa situação.”

Abastecimento global

Extremos associados a fenômenos anteriores causaram estragos na agricultura e em outras indústrias vulneráveis às mudanças nos padrões climáticos. Os efeitos em países produtores como os da América Latina podem ser um problema para o abastecimento global de alimentos.

Segundo os pesquisadores, a Bolívia poderá enfrentar tanto a seca quanto inundações. Já o Caribe, os países da América Central, Colômbia e oeste do México estarão particularmente vulneráveis à seca. Condições mais úmidas, por outro lado, podem trazer alívio a outras áreas, como a região das Pampas na Argentina.

A EIU prevê que a economia do Peru será afetada entre janeiro e maio do próximo ano, quando chuvas intensas ao longo da costa norte podem danificar infraestruturas e reduzir a produção agrícola e pesqueira. Inundações destruiriam canais de irrigação e poderiam trazer gafanhotos, ratos e doenças às regiões agrícolas.

El Niño

Em junho, o fenômeno climático caracterizado pela interação de ventos e correntes no Pacífico com efeitos globais, entrou em sua fase El Niño. Eventos como o que acaba de começar trazem temperaturas mais quentes em todo o mundo e produzem anomalias climáticas específicas em toda a região tropical.

 

LEIA MAIS:

El Niño severo pode prejudicar produção agrícola e causar inflação

El Niño pode ser devastador para Amazônia, apontam especialistas

El Niño mais forte pode prejudicar a agropecuária

El Niño já muda o clima nas áreas produtoras de milho

Como El Niño pode afetar Brasil em 2023

Amazônia: árvores em MT têm mais chances de morrer durante a seca