HomeEconomia

JBS entra no mercado de proteína cultivada com aquisição de empresa espanhola

JBS entra no mercado de proteína cultivada com aquisição de empresa espanhola

Mato Grosso adota prazo estendido para plantio de soja até 3 de fevereiro
Mudanças climáticas podem custar bilhões de dólares ao transporte marítimo
ALMT derruba veto ao projeto que proíbe construção de usinas no Rio Cuiabá

A JBS, maior companhia global de proteínas e líder em produção de alimentos, firmou acordo para aquisição do controle da empresa espanhola BioTech Foods. A operação marca o ingresso da empresa brasileira no mercado de proteína cultivada, que consiste na produção de alimentos a partir de células animais, e inclui o investimento na construção de uma nova unidade fabril na Espanha para dar escala à produção. Com a aquisição, a JBS também anuncia a implantação do primeiro Centro de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) em Proteína Cultivada do Brasil. No total, a JBS vai destinar US$ 100 milhões aos dois projetos 

 Fundada em 2017, a BioTech Foods é uma das líderes no desenvolvimento de biotecnologia para a produção de proteína cultivada, contando com o apoio do governo espanhol e da União Europeia. A empresa opera uma planta-piloto na cidade de San Sebastián e tem a expectativa de alcançar a produção comercial em meados de 2024, com a construção dessa nova unidade fabril. O investimento na nova instalação é estimado em US$ 41 milhões.  

 A BioTech Foods tem como fundadores Iñigo Charola, experiente executivo na área de vendas e marketing, e a PhD em física de materiais Mercedes Vila Juárez, uma das maiores especialistas do mundo no uso de materiais para biomedicina e vencedora, em 2010, do prêmio “Para Mulher na Ciência”, concedido pela Unesco e pela L’Oréal em reconhecimento por suas pesquisas. Charola ocupa a posição de CEO da BioTech e Mercedes, a de CTO da companhia. 

 Pelos termos da transação, a JBS se torna a acionista majoritária da BioTech Foods. A operação possibilita que as duas empresas unam forças para acelerar o desenvolvimento do mercado de proteína cultivada. A companhia brasileira passa a ter acesso à tecnologia e à produção de proteínas da BioTech Foods, que, por sua vez, terá à disposição a capacidade de processamento industrial, a estrutura de marketing, know-how para o desenvolvimento de produtos e os canais de venda da JBS para colocar o novo produto no mercado. 

 Quando estiver em fase comercial, a proteína cultivada chegará inicialmente aos consumidores na forma de alimentos preparados, como hambúrgueres, embutidos, almôndegas, entre outros, com a mesma qualidade, segurança, sabor e textura provenientes da proteína tradicional. A tecnologia tem potencial não apenas para a produção de proteína bovina, mas também para a de frangos, suínos e pescados. 

 “Esta aquisição reforça nossa estratégia de inovação, desde como desenvolvemos novos produtos até como comercializamos, para atender à crescente demanda global por alimentos. Unindo o conhecimento tecnológico com nossa capacidade de produção, seremos capazes de acelerar o desenvolvimento do mercado de proteína cultivada”, afirma Gilberto Tomazoni, CEO Global da JBS. 

 A aquisição da BioTech Foods ainda está sujeita à confirmação da autoridade de investimento estrangeiro na Espanha, entre outras condições usuais a esse tipo de operação. 

 O movimento na Europa é complementado pelo Centro de Pesquisa em Proteína Cultivada no Brasil. Previsto para ser inaugurado em 2022, o centro incluirá na segunda etapa uma planta que irá ocupar uma área de 10 mil metros quadrados. Liderado pelos doutores Luismar Marques Porto e Fernanda Vieira Berti, a iniciativa contará com cerca de 25 pesquisadores e vai trabalhar no desenvolvimento de tecnologias de ponta para a indústria de alimentos. 

 Dois dos maiores especialistas em bioengenharia do País, ambos os cientistas têm ampla experiência profissional e acadêmica internacional. Enquanto Porto já foi cientista visitante da Harvard University e do Massachusetts Institute of Technology (MIT), Fernanda tem passagem pelo Research Institute I3Bs, e criou uma startup incubada no Vale do Silício (EUA) com atuação na Europa que desenvolve produtos baseados em medicina regenerativa e células-tronco para o tratamento de animais 

 Com o investimento no Centro de P&D, a JBS pretende desenvolver novas técnicas que acelerem os ganhos de escala e reduzam os custos de produção da proteína cultivada, antecipando sua comercialização no mercado.  

 “Estamos ampliando nossa plataforma global para atender às novas tendências de consumo e ao crescimento da população global. A aquisição da BioTech Foods e o novo centro de pesquisa colocam a JBS numa posição única para avançar no setor de proteína cultivada”, complementa Tomazoni. 

 Líder em bovinos, suínos e frango, a Companhia fez outros movimentos importantes ao longo de 2021 para ampliar sua atuação em outras proteínas: adquiriu a holandesa Vivera, maior produtora de plant-based independente da Europa, e acaba de concluir a aquisição da Huon, segunda maior produtora de salmão da Australia. A proteína cultivada chega para complementar esse portfólio.

Fonte: JBS