HomeEconomia

Liberação de recursos do Plano Safra já ultrapassou R$ 200 bilhões

Liberação de recursos do Plano Safra já ultrapassou R$ 200 bilhõesCusto de produção elevado e juros altos marcam temporada. Foto: Agência Brasil

Artigo: Solo: de Presente Ancestral a um Futuro Promissor
Agro puxa PIB e Mato Grosso lidera ranking de crescimento no País
China e Rússia têm interesse em ampliar laços comerciais com Mato Grosso

Com aumento de R$ 32 bilhões em comparação ao ciclo 2021/2022, os desembolsos do Plano Safra para 2022/2023 bateram recorde e chegaram ao total de R$ 202 bilhões em créditos contratados. O valor, que engloba financiamentos de investimentos, comercialização e industrialização, considera o primeiro semestre da safra. No mesmo intervalo do ciclo anterior, os repasses foram de R$ 169,9 bilhões.

A adição é reflexo do aumento dos custos de produção no campo, incertezas com os cenários político e econômico e juros elevados. De acordo com dados do Banco Central, compilados pelo Valor Econômico, de julho a dezembro do ano passado, o montante chegou a R$ 125,6 bilhões apenas para custear lavouras e criações, 41% a mais que em igual período do ciclo anterior.

As contratações nas linhas de investimentos voltaram a crescer e se aproximaram do patamar registrado no ciclo anterior. De julho a dezembro de 2022, os produtores acessaram R$ 52,7 bilhões nessa modalidade, um recuo de 3% em relação aos R$ 54,7 bilhões no segundo semestre de 2021.

Já o saldo das operações de comercialização ainda segue abaixo do patamar de 2021/22. Os desembolsos nos seis primeiros meses da safra 2022/23 somaram R$ 13,5 bilhões; um ano antes, foram R$ 17,7 bilhões. Os financiamentos para industrialização avançaram 13%, passando de R$ 8,9 bilhões para R$ 10,1 bilhões.

Segundo a Valor Econômico, os desembolsos para os médios produtores (Pronamp), que vinham crescendo de maneira tímida, empataram com as contratações dos agricultores familiares (Pronaf), com R$ 33,6 bilhões cada. O governo fez recentemente novos movimentos para tentar contemplar essas linhas com mais subvenção e permitir o acesso às linhas de financiamentos com juros mais baixos.

Bancos

Puxados pelo Banco do Brasil, líder do mercado, os bancos públicos seguem liderando os desembolsos, que somaram R$ 124 bilhões entre julho a dezembro. As cooperativas de crédito mantêm desempenho melhor que as instituições privadas, cenário inédito até o início desta safra.

Encabeças por Sicredi, Sicoob e Cresol, as cooperativas emprestaram R$ 39 bilhões no período, aumento de 21% em relação à safra anterior. Já os bancos privados, liderados por Bradesco, Itaú e Santander, liberaram R$ 36,1 bilhões, mesmo desempenho registrado no primeiro semestre da safra 2021/22.

LEIA MAIS:

Balança comercial do agro em junho registra exportações de US$ 15,71 bi
Balança comercial tem superávit de US$ 1,833 bi na 3ª semana de novembro
Balança comercial registra superávit de US$ 3,34 bilhões na 3ª semana de junho